Você está aqui: Página Inicial > Retrospectiva > Oportunidades Pasta > Microempreendedorismo Individual ajuda beneficiários do Bolsa Família a superar a pobreza

Microempreendedorismo Individual ajuda beneficiários do Bolsa Família a superar a pobreza

publicado  em 18/12/2015 19h34
Programa de inclusão produtiva alcançou a marca de 5 milhões de MEIs em todo o país. Mais de 1,5 milhão deles estão no Cadastro Único para Programa Sociais do Governo Federal

Brasília – Figurinista, microempreendedora e professora, Delci Lutz, 49 anos, moradora de Novo Hamburgo (RS), fala de suas profissões com muito orgulho. Ex-beneficiária do Bolsa Família, ela devolveu o cartão voluntariamente quando percebeu que não precisava mais do complemento de renda. Há dois anos, a gaúcha conseguiu abrir seu próprio negócio, a “Delci Figurinos”, graças ao programa Microempreendedor Individual (MEI). Uma das estratégias de inclusão produtiva do governo federal para a superação da pobreza e da extrema pobreza, o programa comemora a marca de cinco milhões de Microempreendedores Individuais, alcançada no mês de junho.

Foto: Ubirajara Machado/MDS

São mais de 1,5 milhão de MEIs do Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal, sendo que 642 mil são beneficiários do Bolsa Família. Em 17 de junho, a presidenta Dilma Rousseff e os ministros do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, e da Secretaria Nacional de Micro e Pequeno Empresa, Afif Domingos, participaram de evento no Palácio do Planalto para celebrar essa conquista.

Mãe de dois filhos, Delci viu a situação da família piorar com o divórcio. Foi quando ela conseguiu o Bolsa Família. “O Bolsa foi essencial na fase mais difícil”, lembra. O programa também ajudou a figurinista a voltar a estudar. Com dois cursos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec), o de desenho de moda pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Comercial (Senac) e o de desenhista de calçados pelo Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai), ela se profissionalizou e aumentou a produção dos figurinos.

Atualmente, o ateliê produz figurinos para espetáculos de teatro e dança, além de vestidos de festa, o que rende à empreendedora entre R$ 1,5 mil e R$ 2 mil por mês. Ela já comprou duas máquinas industriais para “melhorar a produção”. Antes, a renda da família era de apenas meio salário mínimo.

O sucesso do empreendimento rendeu um convite do Senai para dar aulas de costura em Morro Reuter (RS). De aluna, Delci passou a professora do Pronatec. “Fui muito bem recebida pelas alunas. É muito bom passar todo o meu conhecimento e ver as pessoas se empolgarem com isso. É muito gratificante”, conta, orgulhosa.

Para o futuro, a figurinista planeja fazer o curso de graduação de moda. “Ainda preciso fazer minha faculdade; é meu sonho. Esse ano faço o Enem [Exame Nacional do Ensino Médio] e se Deus quiser vou passar.”

Novas estratégias - Quase 15% dos beneficiários do Bolsa Família formalizados como Microempreendedores Individuais (MEIs) no país fizeram cursos do Programa Nacional de Acesso ao Ensino Técnico e Emprego (Pronatec). Ao optar por essa categoria criada pela Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas, eles podem emitir notas fiscais, ter acesso à Previdência Social e registrar eventuais empregados ou colaboradores.

A demanda crescente por formalização entre os beneficiários do Bolsa Família fez com que o governo federal aperfeiçoasse a estratégia em novas frentes: oferecer capacitação para que os microempreendedores possam estruturar seus empreendimentos e garantir assessoramento técnico-empresarial.

Em parceria com o Ministério da Educação, a Secretaria Nacional da Micro e Pequena Empresa e o Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (Sebrae), o MDS desenvolveu o curso Pronatec Gestor MEI, voltado para o público do Bolsa Família. O objetivo é ajudar o empreendedor a entender melhor o mercado e elaborar um plano de negócios.

registrado em: ,