Você está aqui: Página Inicial > Entrevistas > Matej Kösir

17/1/2020

Entrevista com o especialista>>>    

Matej Kösir


1. O que funciona na prevenção do abuso de substâncias?
Todos nós (esperamos) concordar que as autoridades e outras instituições responsáveis devem investir seus recursos em práticas eficazes de prevenção baseadas em evidências, baseadas em teorias científicas e avaliação de necessidades, que correspondam à idade e ao nível de risco dos grupos-alvo e sejam culturalmente adaptado e avaliado, especialmente em relação aos resultados e impacto nas populações-alvo. Todas as intervenções de prevenção devem ser implementadas por pessoal treinado e o programa deve ser cuidadosamente planejado desde o início até o fim. Em relação aos programas escolares, o apoio deve ser fornecido por toda a equipe da escola (incluindo a gerência), a comunidade escolar mais ampla (incluindo os pais), as autoridades locais e outras principais partes interessadas locais. As intervenções de prevenção também devem ser baseadas em intensidade, duração e interatividade adequadas. Eles poderiam incluir alguns componentes eficazes, como educação normativa, treinamento de habilidades sociais e pessoais, e ênfase nos efeitos de curto prazo do uso de substâncias, em vez de informações sobre consequências de longo prazo, que parecem irrelevantes e ineficazes para crianças e jovens.

2. O que funciona especialmente na prevenção do uso de álcool?
As intervenções de prevenção estarão no seu melhor, em um contexto em que as autoridades tentem limitar o consumo geral de álcool por meio de boas regras regulamentares. O Fórum Econômico Mundial e a Organização Mundial da Saúde (OMS) recomendam, com base no conhecimento científico, que os governos implementem três tipos de medidas legislativas. Eles chamam essas medidas de "best buys", porque são eficazes e acessíveis. A primeira medida que eles recomendam é aumentar o preço do álcool. Dados os riscos e os custos de consumo, o álcool é, em muitos países, muito barato e, portanto, facilmente obtido, o que é extremamente arriscado para jovens e bebedores em excesso. A segunda medida é limitar a disponibilidade de álcool. Por exemplo, limitando o número de pontos de venda e definindo um limite de idade de 18 ou 21 anos para vendas. A terceira medida é o estabelecimento de uma proibição de comercialização e patrocínio de álcool. Para obter apoio sustentável para essas três medidas, são de grande interesse informações sistemáticas sobre o álcool como substância psicoativa viciante e cancerígena e sobre as consequências pessoais e sociais da bebida.

3. Quais substâncias causam mais danos hoje em dia?
Com base em análises bastante experimentais e, em certa medida controversas, do professor David J Nutt, publicadas na revista Lancet em 2010, os danos específicos e relacionados a substâncias para algumas substâncias podem ser estimados a partir de dados de saúde e outros dados que mostram álcool, heroína e crack como tendo efeitos muito maiores que outras substâncias. Se queremos estimar o dano causado por substância específica da maneira mais correta possível, temos que levar em consideração não apenas os dados de saúde (como mortalidade, danos à saúde física, dependência, problemas de saúde mental etc.), mas também danos sociais (especialmente danos a outras pessoas). Isso inclui tráfego rodoviário e outros acidentes em casa, violência e crime relacionados a substâncias, custos para a economia, comunidades, famílias etc. Considerando todos os critérios (saúde e sociais), fica claro que o álcool é, de longe, a substância mais nociva do meio ambiente do mundo e, definitivamente, temos que fazer mais nessa área no futuro próximo.

4. As estratégias de prevenção devem se concentrar em melhorar as práticas de gerenciamento do local ou de padrões comportamentais individuais?
Na minha opinião, ambas as abordagens são igualmente importantes. Existe um mundo complexo em que as pessoas são submetidas a múltiplas influências ambientais e intervenções de prevenção tentam ajudá-las a ajustar seu comportamento e cuidar de sua saúde e bem-estar. No entanto, se houver um forte apoio em políticas e regras, as pessoas melhoram seu comportamento muito mais facilmente, embora às vezes sejam forçadas a fazê-lo. Costumo dar um exemplo da minha amiga Prof Mihela Erjavec, da Universidade de Bangor (Reino Unido), para explicar minha opinião: um médico de família que fuma tabaco e come fast-food. Eles não têm informações sobre os efeitos nocivos do tabagismo e má alimentação. Certo? Eles claramente têm muita força de vontade, porque persistiram através de um longo e árduo curso de estudos e especialização para atingir seu objetivo de se tornar médico. Então, por que eles estão prejudicando sua saúde e diminuindo sua vida? Nesse caso, estratégias ambientais (como proibição de fumar nos hospitais ou nos arredores ou densidade limitada de quiosques de fast food na área de hospitais) poderiam ajudar muito mais do que qualquer outra intervenção baseada em informações e conscientização, promoção de estilo de vida saudável entre médicos ou diretrizes hospitalares não vinculativas sobre prevenção do tabagismo e dieta saudável.

5. Como os pais podem falar sobre drogas com os filhos?
Discutir drogas com crianças é uma estratégia insuficiente. Por quê? Os amigos exercem uma grande influência em seu comportamento - pressão dos colegas ou (melhor) afiliação. A vida noturna e outras atividades influenciam seu comportamento. Publicidade e normas informais influenciam suas decisões. Os adolescentes já têm acesso a todas as informações de que precisam, mas geralmente eles as desconsideram como desatualizadas ou não relevantes. Simplesmente conversar com as crianças sobre questões relacionadas às drogas não afeta o uso de substâncias. O tempo e também a qualidade do tempo que os pais dedicam aos filhos são essenciais como medida preventiva.

6. Os pais devem monitorar seus filhos e adolescentes?
Entre as estratégias preventivas mais eficazes estão a supervisão infantil e o estabelecimento de regras familiares às quais os pais devem seguir. Como supervisionar é uma pergunta bastante comum entre os pais. As respostas são múltiplas. Saber para onde vão seus filhos e com quem, quando estiverem fora de casa. Gerenciar agendas e controlar sua economia (por exemplo, dinheiro de bolso). Monitorando suas atividades. Estar familiarizado com seus amigos. Estar em contato com os pais de seus amigos. Participação com outros pais em atividades de prevenção etc. A permissividade dos pais é o principal fator de risco para o uso de substâncias entre crianças e jovens. O controle dos pais funciona como um fator preventivo se exercido de forma eficaz e consistente, especialmente ao supervisionar o acesso a substâncias e atividades das crianças fora de casa. Para evitar o uso de substâncias, é essencial fornecer regras claras e eficazes sobre o que não é permitido.


7. As táticas de medo são úteis na prevenção?
De modo nenhum. Elas devem ser evitadas completamente. É compreensível que algumas pessoas achem que mostrar os resultados mais aterrorizantes que podem ocorrer com o uso de substâncias irá "adiar" (ou desencorajar) que usem. A realidade é que a pesquisa indica que isso não funciona! Pode ter um impacto a curto prazo em alguns. Pode até ter um impacto a longo prazo sobre aqueles que provavelmente nunca se envolverão. No entanto, como estratégia única, é muito provável que falhe. Muitos anos atrás, meu amigo Jeff Lee, do ISSUP, explicou perfeitamente essa questão em uma de nossas publicações em parceria. Os jovens sempre são capazes de ver cenas do uso de substâncias como "irrealistas" - não correspondem à sua própria experiência do que acontece com aqueles que eles conhecem e passam a usar substâncias. Eles também são bons na resposta "nunca vai acontecer comigo" e "minha avó fuma há 70 anos e ela está bem". Os jovens vivem no aqui e agora e não na área de resultados futuros a longo prazo. Sabemos pela pesquisa sobre o desenvolvimento do cérebro que o cérebro dos jovens na adolescência é propenso a buscar prazer e excitação e que sua capacidade de considerar as consequências do comportamento ocorre mais tarde (não antes dos 24 ou 25 anos). Essa é outra razão pela qual essa abordagem não é uma abordagem boa e útil.

8. O que motiva seu trabalho no campo da prevenção?
Durante minha carreira profissional em administração pública no campo da saúde pública, há muitos anos, percebi que a prevenção não está bem desenvolvida no meu país (Eslovênia) e que a maioria dos fundos públicos é investida em práticas ineficazes e até prejudiciais. Isso me motivou na época (em 2006) a estabelecer meu próprio instituto privado de pesquisa e desenvolvimento de prevenção (UTRIP) junto com minha esposa Sanela Talić e começar a concentrar todo o meu trabalho em melhorar a situação na Eslovênia e em outros países. Ainda está longe de ser perfeito, por isso ainda tenho os mesmos motivos de início - melhorando as políticas e práticas de prevenção, advogando por um financiamento mais regular e sustentável para as organizações da sociedade civil, disseminando intervenções baseadas em evidências em toda a Europa , colmatar a lacuna entre a ciência e a prática da prevenção etc. No entanto, a UTRIP alcançou muito, como laboratório de ideias de prevenção na última década, esteve envolvida em mais de 25 projetos e programas financiados pela União Europeia (UE) e colaborou com instituições e organizações referenciais de todo o mundo (também do Brasil). Enquanto isso, a prevenção se torna meu estilo de vida. Eu vivo prevenção 24 horas por dia, então provavelmente morrerei fazendo algo na prevenção.

9. Como o Obid pode contribuir para o seu trabalho?
O Obid como instituição responsável deve se tornar um “campeão” nacional neste campo em seu país: a) promovendo e apoiando o desenvolvimento de ciências e práticas de prevenção; b) preenchendo a lacuna entre acadêmicos, políticos e tomadores de decisão e profissionais; c) advogando pela implementação de padrões internacionais de prevenção e políticas e práticas baseadas em evidências (especialmente no campo do álcool e tabaco), d) investimento na educação e treinamento da força de trabalho de prevenção e e) apoio às autoridades regionais e locais e organizações da sociedade civil no processo de desenvolvimento de sistemas regionais e locais eficazes de prevenção. Seria uma honra para a UTRIP se pudermos contribuir para o trabalho de Obid, com muitos anos de experiência e conhecimento neste campo. Vamos fazer do Brasil um lugar melhor para todos juntos, especialmente para crianças e jovens. Obrigado!

Matej Košir é diretor da UTRIP. Trabalha no campo da prevenção de dependências e políticas relacionadas ao álcool, tabaco e outras drogas (ATOD) há 21 anos. É autor, coautor e revisor de artigos e artigos científicos e avaliador externo de projetos financiados pela CE no campo da saúde e pesquisa. Palestrante e facilitador de treinamentos e workshops na área de prevenção e advocacy. Foi assistente de pesquisa de pós-graduação na Universidade Oxford Brookes (Reino Unido) no período de 2015-2016. Foi consultor sênior do Grupo Banco Mundial no campo da política e prevenção do álcool entre janeiro de 2017 e junho de 2019. É coordenador da rede da Plataforma de Prevenção, que inclui mais de 40 instituições e organizações de apoio (principalmente ONGs) na Eslovênia. Participou em mais de 25 projetos financiados pela UE em diferentes programas da União Europeia (por exemplo, Programa de Saúde, 7º Programa-Quadro, Programa Erasmus Plus, Programa de Justiça, Programa de Iniciativas para Políticas sobre Drogas, Programa de Prevenção e Informação sobre Drogas, Programa de Informação e Prevenção de Drogas, Programa de Aprendizagem ao Longo da Vida, Programa para Jovens, Fundo Social Europeu, etc.). A Sociedade Europeia de Pesquisa em Prevenção (EUSPR) concedeu a ele o prêmio “Líder Europeu em Prática em Ciências da Prevenção” em 2017. Doutorando em Ciências da Prevenção pela Faculdade de Ciências da Educação e Reabilitação da Universidade de Zagreb (Croácia).