Você está aqui: Página Inicial > Notícias > Patrus propõe debate sobre função social da terra em Conferência da FAO

Notícias

Patrus propõe debate sobre função social da terra em Conferência da FAO

POLÍTICAS SOCIAIS

Tema foi defendido pelo ministro do MDA, Patrus Ananias, durante a 34ª Conferência Regional da FAO para América Latina e o Caribe
publicado  em 03/03/2016 16h24

A importância da reflexão sobre a função social da terra, inspirada nas Diretrizes Voluntárias para a Governança Responsável da Terra da ONU, ganhou destaque na fala do ministro Desenvolvimento Agrário (MDA), Patrus Ananias, nesta quarta-feira (2), na 34ª Conferência Regional da Organização das Nações Unidas para Agricultura e Alimentação (FAO) para América Latina e o Caribe, realizada na Cidade do México. Patrus também convidou os presentes para o simpósio internacional sobre a terra, que o MDA está organizando, e que está programado para ocorrer em Brasília, no segundo semestre deste ano.

 “A principal questão que merece nossa reflexão, nos dias de hoje, é a função social da terra. A terra sobre a qual vivemos, sobre a qual nos edificamos, de onde vem o nosso alimento, de onde brotam as nascentes, e onde estão os minérios. Nesta época de mercantilização da terra, de sua compra em larga escala e do entendimento da terra como reserva de valor, temos que ter a coragem de fazer esse debate. Não se trata de negar o direito à propriedade, mas de adequá-lo aos outros direitos fundamentais, ao interesse público e integral da sociedade”, salientou o ministro do Desenvolvimento Agrário ao fazer um balanço dos diversos pontos que merecem ser debatidos.

O ministro também pontuou, durante sua participação no painel ‘Desafios para o Setor Rural na América Latina e Caribe: Desenvolvimento Territorial Rural, Agricultura Familiar, Inclusão Social e Econômica e Inovação’, as políticas públicas multisetoriais implementadas pelo governo brasileiro, com uma visão territorial. Patrus realçou a sinergia de ações e a qualificação dos gastos públicos, como primordiais para a redução das desigualdades no meio rural. “No caso do combate à pobreza, em especifico da pobreza rural, não é suficiente abordar a família ou a pessoa, se os territórios onde vivem continuarem em situação de pobreza. A abordagem territorial amplia a responsabilidade para a inclusão de pessoas e lugares no processo de desenvolvimento do país”.

Ao tratar da importância da agricultura familiar na garantia da segurança alimentar, o ministro lembrou também de seu papel na cultura e na preservação da biodiversidade. “Para garantirmos a segurança alimentar e nutricional de nossa região, temos que investir no fortalecimento das capacidades de nossos agricultores familiares, garantido o acesso à terra, aos meios de produção, ao crédito e aos mercados. Temos que enxergá-los como prestadores de serviços, pois graças ao trabalho que realizam as pessoas das cidades têm o que comer. Portanto, temos que dar condições de vida digna, garantindo um modo de vida feliz”, afirmou ao encerrar sua fala no painel que também contou com a participação de representantes de El Salvador, Bolívia, Belize e Argentina.

Ao apresentar, aos ministros da agricultura da América Latina e Caribe e representantes da FAO, os princípios que ancoram o trabalho do MDA, Patrus ressaltou a articulação de instrumentos para a garantia de acesso à terra, como a reforma agrária e a regularização fundiária, o fortalecimento da Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) - focada na agroecologia, a ampliação da oferta de crédito e o seguro agrícola e a promoção de mercados institucionais e outras políticas que garantam a comercialização a preço justo da produção da agricultura familiar brasileira. Outro ponto que o ministro abordou foi “a promoção e o apoio do governo, para a transição agroecológica e para produção orgânica, com foco no aumento da produção de alimentos saudáveis.”

Fonte: MDA
registrado em: