Você está aqui: Página Inicial > Assuntos > Segurança Alimentar > Acesso à Água > Água para Produção

Água para Produção

O Programa Cisternas também apoia a implementação de tecnologias sociais de acesso à água para ampliar as condições das famílias agricultoras produzirem alimentos, seja para o autoconsumo seja para a comercialização de excedentes. No autoconsumo a alimentação fica mais diversificada e com maior qualidade nutricional e a comercialização de excedentes gera renda para as famílias.

São apoiados diversos tipos de tecnologias, com destaque para a cisterna calçadão e a cisterna de enxurradas , ambas com capacidade de armazenar 52 mil litros e a barragem subterrânea e o barreiro trincheira, dentre outras. 

Estas tecnologias têm maior capacidade de armazenamento de água e permitem o desenvolvimento de quintais produtivos e a criação de pequenos animais. O  desenvolvimento desta ação envolve um contínuo processo de mobilização da comunidade, capacitações com princípios agroecológicos e estímulo a trocas de experiência entre os agricultores.

Além da tecnologia implementada, a família recebe também um conjunto de materiais importantes para a produção, como sementes, mudas, carro de mão, enxada, arame e ração, entre outros, para formação de hortas, pomares, apriscos ou galinheiros, conforme sua preferencia e vocação produtiva. As famílias recebem as seguintes capacitações:

a) Gestão da água para produção de alimentos (GAPA): destinada aos beneficiários contemplados com as cisternas para a produção de alimentos, esta capacitação tem como objetivo levar as famílias a refletirem a respeito das estratégias de manuseio e uso das águas captadas.

b) Sistema Simplificado de Manejo de Água para a Produção (SISMA): destinada à disseminação de técnicas simples que possibilitam às famílias o uso racional da água para a produção. São disponibilizados materiais apropriados para irrigação e para a criação de pequenos animais.

c) Intercâmbios de experiências: atividade em que agricultores e agricultoras têm a oportunidade de conhecer experiências exitosas de uso das tecnologias sociais para a produção de alimentos desenvolvida por outras famílias de agricultores, possibilitando o resgate e a valorização de técnicas inovadoras.