Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Rádio > Ministro vistoria abrigo de venezuelanos acolhidos em Chapada, no Rio Grande do Sul

Ministro vistoria abrigo de venezuelanos acolhidos em Chapada, no Rio Grande do Sul

publicado  em 08/10/2018 20h04

 


 

LOC: O ministro do Desenvolvimento Social, Alberto Beltrame, vistoriou, nesta segunda-feira (8), as instalações do abrigo que recebeu 52 venezuelanos em Chapada, município no norte do Rio Grande do Sul. No fim de setembro, a cidade acolheu 10 famílias que foram transferidas de Roraima em busca de melhores condições de vida.

Dos venezuelanos que desembarcaram no pequeno município de 9 mil e quinhentos habitantes, 26 são crianças e adolescentes que já foram inseridos em escolas no período integral e em creches. Entre os adultos, 20 já estão empregados.

Segundo o ministro Alberto Beltrame, a experiência de Chapada merece ser replicada em outros estados e municípios do país com o objetivo de oferecer melhores condições de vida a estas famílias.

SONORA: MINISTRO ALBERTO BELTRAME

LOC: De acordo com o prefeito do município, Carlos Catto, a agilidade na contratação das famílias pelas empresas se deve à importância que os habitantes de Chapada deram à causa.

SONORA: PREFEITO CARLOS CATTO

LOC: Ao entrevistar os venezuelanos, o diretor e presidente da Friolack - empresa de laticínios da região -, Délcio Giacomini, percebeu que eram esses empregados que a empresa precisava para crescer.

SONORA: PROPRIETÁRIO DA FRIOLACK

LOC: Contratada pela Friolack, Emerys Urbina, de 36 anos, trabalhava como administradora de cinco empresas na Venezuela. A decisão de deixar o país ocorreu depois que viu as economias de 7 anos serem gastas somente em materiais escolares. Em Chapada, Emerys diz que já vê a vida melhorar, que tudo está dando certo. Os filhos já estão na escola e ela conseguiu uma entrevista de emprego rapidamente.

O ministro ainda se reuniu com os prefeitos de Sarandi, Nova Boa Vista, Liberato Salzano e Coqueiros do Sul para analisar a possibilidade de ampliar a oferta de vagas para os venezuelanos na região.

Até o momento, 2.328 imigrantes foram interiorizados para oito estados e para o Distrito Federal. A iniciativa conta com o apoio da Agência da ONU para Refugiados (Acnur), da Organização Internacional para as Migrações (OIM), do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

Reportagem, Diego Queijo