Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Rádio > 2019 > Fevereiro > Unidade do Exército abre chamada pública para compra de alimentos no Rio Grande do Sul

Unidade do Exército abre chamada pública para compra de alimentos no Rio Grande do Sul

publicado  em 18/02/2019 11h56

 


 

LOC: Na zona rural do município de Nova Palma, no Rio Grande do Sul, o agricultor Laércio Dalross produz feijão, leite, frutas, verduras e legumes. É com a venda desses produtos que sustenta a família e pretende ampliar os seus negócios. Ele está se preparando para participar da nova chamada pública aberta pela Terceira Divisão de Exército Divisão Encouraçada da cidade gaúcha de Santa Maria. A instituição deve adquirir 32 itens da agricultura familiar. Laércio enviou proposta e está ansioso pelo resultado. Ele destaca que a compra institucional garante preço justo para os produtores.

SONORA: Laércio Dalross - Agricultor familiar

LOC: O investimento da unidade do Exército de Santa Maria será de dois milhões, duzentos e setenta e cinco mil reais na compra de itens como frutas, legumes, leite integral e outros. O prazo para o envio das propostas e dos documentos de habilitação vai até o dia 26 de fevereiro. Comprar alimentos frescos e de boa qualidade produzidos no estado e contribuir para o desenvolvimento regional são os aspectos mais importantes na opinião do capitão Reis, coordenador de Despesas da Unidade Militar.

SONORA: Capitão Reis

LOC: O processo faz parte do Programa de Aquisição de Alimentos, o PAA, na Modalidade Compra Institucional, coordenado pelo Ministério da Cidadania. Podem participar cooperativas e pequenos agricultores portadores da Declaração de Aptidão ao Pronaf. A Coordenadora Geral de Aquisição e Distribuição de Alimentos, Hetel Santos, destaca as vantagens da modalidade tanto para os agricultores quanto para os órgãos participantes.

SONORA: Hétel Santos

LOC: O edital está disponível no site: www.comprasagriculturafamiliar.gov.br, na modalidade Compra Institucional. Cada agricultor poderá vender até o limite de 20 mil reais, por ano, para cada órgão comprador. Já para as cooperativas ou associações, o teto é de seis milhões de reais, por ano, por órgão comprador, respeitando o limite individual por agricultor. A legislação determina que pelo menos 30 por cento dos alimentos adquiridos para abastecer órgãos federais venham da agricultura familiar. O PAA permite que órgãos da administração pública federal, estadual e municipal possam obter, com recursos próprios, produtos da agricultura familiar com dispensa de procedimento licitatório.

Reportagem, Roberto Rodrigues