Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Rádio > 2019 > Agosto > Em Viena, Ministério da Cidadania discute estatísticas sobre Drogas com países da ONU

Em Viena, Ministério da Cidadania discute estatísticas sobre Drogas com países da ONU

publicado  em 29/08/2019 16h30

 
 

LOC: O Brasil está no centro de discussão sobre o enfrentamento às drogas no mundo. Até sexta-feira, em Viena, na Áustria, o Ministério da Cidadania se alia a especialistas de diversas nacionalidades para discutir uma melhor captação de dados que permitam os países desenvolverem políticas públicas mais eficazes no tratamento a dependentes químicos, no enfretamento e na prevenção ao uso de drogas. O secretário de Cuidados e Prevenção ao Uso de Drogas, Quirino Cordeiro, participa da reunião do grupo de trabalho de peritos para a revisão do modelo do Questionário Anual que o Escritório das Nações Unidas sobre Drogas e Crime utiliza para a obtenção de informações sobre o cenário mundial de drogas.

De acordo com o único representante brasileiro no encontro, o objetivo é incrementar a capacidade de coleta de dados que permitam a condução de políticas públicas mais apropriadas para o enfrentamento das drogas, inclusive, a Nova Política Sobre Drogas do governo federal.

SONORA SECRETÁRIO QUIRINO CORDEIRO

LOC: A Nova Política federal tem por finalidade fomentar a prevenção, o tratamento, o acolhimento e a reinserção social dos dependentes químicos. Ela está sendo desenvolvida em conjunto pelos ministérios da Cidadania, da Saúde, da Justiça e Segurança Pública, dos Direitos Humanos, da Família e Mulher. O Ministério da Cidadania é responsável pelo tratamento de dependentes químicos – focado na estratégia da abstinência dos usuários. Cordeiro também ressaltou que o encontro internacional permite a troca de experiências sobre a condução das políticas públicas no enfrentamento às drogas.

SONORA SECRETÁRIO QUIRINO CORDEIRO

LOC: Além da Nova Política Sobre Drogas, em junho deste ano foi sancionada a Lei de Drogas. A partir da nova legislação, as comunidades terapêuticas passaram a ser reconhecidas como parceiras do governo federal no acolhimento e tratamento de usuários de entorpecentes. Ações mais rígidas contra o tráfico de drogas e a internação involuntária de usuários para desintoxicação também estão previstas na lei.

Para saber mais sobre este e outros assuntos do ministério, acesse: cidadania.gov.br

Reportagem, Diego Queijo