Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Rádio > 2018 > Novembro > Seminário sensibiliza gestores municipais a receberem imigrantes venezuelanos

Seminário sensibiliza gestores municipais a receberem imigrantes venezuelanos

publicado  em 09/11/2018 17h56
Agência MDS - Release Radio - 09/11/2018 - Seminário sensibiliza gestores municipais a receberem imigrantes venezuelanos

 

LOC: Gestores da Assistência Social de 10 municípios que demonstraram ao governo federal interesse em acolher imigrantes venezuelanos participaram de seminário, nesta quinta-feira, em Brasília. Coordenado pela Secretaria Nacional de Assistência Social do Ministério do Desenvolvimento Social, o evento discutiu de que forma os municípios podem participar da interiorização dos imigrantes que chegam ao Brasil pela fronteira em Roraima, devido à crise humanitária na Venezuela. Até o momento, a Operação Acolhida realizou 15 etapas de transferência, com um total de 2.970 venezuelanos acolhidos em 23 municípios brasileiros.

A interiorização vai além do acolhimento aos imigrantes, envolve o preparo dos locais, a mobilização da comunidade e do poder público, além do trabalho realizado pela rede socioassistencial do Sistema Único de Assistência Social, o Suas. São nos Centros de Referência de Assistência Social, os Cras, que os novos moradores fazem o registro no Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal e podem ter acesso a todos os serviços oferecidos pela Assistência Social.

A assessora especial de Assuntos de Imigração do Ministério do Desenvolvimento Social, Niusarete Lima, explica a importância da parceria com os municípios para o sucesso da Operação Acolhida.

SONORA Niusarete Lima - assessora especial de assuntos de imigração

LOC:O Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados, o Acnur, é responsável por fazer a identificação dos venezuelanos nos abrigos, traçar o perfil da família e prepará-los para a interiorização, além do acompanhamento técnico com os municípios. De acordo com a oficial de Reassentamento do Acnur, Gabriela Cortina, o entendimento dos gestores sobre o processo de interiorização é fundamental para oferecer aos imigrantes a oportunidade de recomeçar a vida de forma digna, com oportunidade de trabalho e moradia em algum local que deseja recebê-los.

SONORA Gabriela Cortina - oficial de reassentamento ACNUR

LOC:Um dos municípios interessados no acolhimento é Santo Antônio da Patrulha, no Rio Grande do Sul. Cerca de 40 venezuelanos deverão ser transferidos para a cidade nas próximas semanas. O seminário serviu para esclarecer dúvidas e ajudar na adaptação dos imigrantes à nova vida, como explica a secretária do Trabalho e do Desenvolvimento Social, Ana Cristina Cardoso.

SONORA Ana Cristina Cardoso – secretária do Trabalho e do Desenvolvimento Social

LOC:Nesta sexta-feira, a Secretaria Nacional de Assistência Social do Ministério do Desenvolvimento Social realizou também encontro com 22 munícipios e 10 Estados que já participam do processo de interiorização. A discussão teve como objetivo o intercâmbio de experiências, atualização conjunta dos dados do que já foi feito e os pontos que podem ser melhorados.

Manaus foi uma das primeiras cidades a receber os venezuelanos, em especial a população indígena. Desde 2016 a capital do Amazonas faz a interiorização das famílias e serviu de modelo para outros municípios com a mesma demanda. Atualmente, 465 imigrantes vivem regularmente no local. A subsecretária operacional de Manaus, Janemara de Moraes, conta que conversar com outros municípios possibilita melhorar as estratégias de acolhimento.

SONORA Janemara de Moraes - subsecretária operacional

LOC:Até agora, 2.970 venezuelanos foram acolhidos em 23 municípios dos seguintes Estados: Amazonas, Bahia, Mato Grosso, Paraíba, Paraná, Pernambuco, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo, além do Distrito Federal.

A iniciativa conta com o apoio do Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (Acnur), da Organização Internacional para as Migrações (OIM), do Fundo de População das Nações Unidas (UNFPA) e do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (Pnud).

Reportagem, Carolina Graziadei