Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Rádio > 2018 > Dezembro > Agricultores familiares de São Paulo vão vender para Instituto Federal de Educação

Agricultores familiares de São Paulo vão vender para Instituto Federal de Educação

publicado  em 14/12/2018 18h50

 

LOC: O Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo, Campus Birigui, está com chamada pública aberta para aquisição de alimentos produzidos pela agricultura familiar. O órgão vai investir mais de 39 mil reais por meio da modalidade Compra Institucional do Programa de Aquisição de Alimentos, PAA, coordenado pelo Ministério do Desenvolvimento Social. Serão comprados itens como: frutas, feijão, temperos, legumes e sucos. Tudo produzido por pequenos agricultores e cooperativas da agricultura familiar. Para o agricultor familiar Gervásio Plucinski, presidente da União Nacional das Cooperativas da Agricultura Familiar e Economia Solidária, UNICAFES, estas chamadas públicas incentivam o agricultor familiar a diversificar os produtos regionais.

SONORA: Gervásio Plucinski - Agricultor familiar

LOC: O Diretor Adjunto do Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia de São Paulo- Campus Birigui , Gustavo Rodrigues Marques, afirma que promover a inclusão social e econômica incentivando a compra de produtos da agricultura familiar da região é o mais importante.

SONORA: Gustavo Rodrigues Marques - Diretor Adjunto do Instituto Federal de Educação

LOC: Segundo a Coordenadora Geral de Aquisição e Distribuição de Alimentos do MDS, Hétel Santos, o governo está trabalhado para ampliar as oportunidades para o trabalhador rural. E afirma que o PAA, além de garantir renda, estimula este trabalhador familiar a se qualificar e fortalecer o setor.

SONORA: Hétel Santos - Coordenadora Geral de Aquisição e Distribuição de Alimentos do MDS


LOC: A legislação determina que pelo menos 30% dos alimentos adquiridos para abastecer órgãos federais venham da agricultura familiar. Cada agricultor familiar pode vender até o limite de 20 mil reais , por ano, para cada órgão comprador. Já para as cooperativas ou associações, o limite é de seis milhões de reais por ano, por órgão comprador.

 

Reportagem, Roberto Rodrigues