Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Rádio > 2017 > Março > Maranhão oficializa adesão ao Criança Feliz

Maranhão oficializa adesão ao Criança Feliz

publicado  em 14/03/2017 15h58


 

LOC: O Maranhão é o sétimo estado a formalizar a adesão ao Criança Feliz./ A solenidade que oficializou o ingresso do estado e de 164 municípios ocorreu nesta terça-feira em São Luís./ No total, quase 24 mil famílias serão beneficiadas nesta primeira fase do programa no Maranhão./

O secretário nacional de Promoção do Desenvolvimento Humano do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, Halim Girade, participou do evento./ Ele apresentou a importância dos investimentos na primeira infância e as ações que serão desenvolvidas nos primeiros mil dias de vida dessas crianças./ O secretário ainda destacou as vantagens da adesão ao programa pelos estados e municípios./

TEC SONORA HALIM GIRADE

LOC: O governador Flávio Dino ressaltou que o Maranhão está empenhado para que o programa alcance os resultados e promova o desenvolvimento das crianças do estado./

TEC SONOR AGOVERNADOR FLÁVIO DINO

LOC: Para o prefeito de Conceição de Lago Açu, Alexandre Lavepel, o Criança Feliz chegou em bom momento para as crianças da cidade.

TEC SONORA PREFEITO ALEXANDRE LAVEPEL

LOC: Outros seis estados já formalizaram o ingresso no programa: Rio de Janeiro, Amapá, Paraíba, Rio Grande do Norte, Tocantins e São Paulo./ Em todo o país, 2.547 municípios já aderiram ao Criança Feliz./ O programa terá como ponto central a visitação domiciliar./ Técnicos capacitados irão até as casas das famílias para mostrar aos pais a maneira correta de estimular o desenvolvimento dos filhos, principalmente nos primeiros mil dias de vida da criança./ Pesquisas mostram que crianças bem cuidadas chegam à escola com melhores condições de aprendizado, estudam mais, são menos violentas e têm melhores condições de vencer a pobreza./ Serão acompanhadas pelo programa as crianças beneficiárias do Bolsa Família até os três anos de idade e aquelas que recebem o Benefício de Prestação Continuada, o BPC, até os seis anos./

Reportagem, André Luiz Gomes