Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Rádio > 2017 > Junho > Osmar Terra busca integração entre Criança Feliz e o Primeira Infância Melhor no Rio Grande do Sul

Osmar Terra busca integração entre Criança Feliz e o Primeira Infância Melhor no Rio Grande do Sul

publicado  em 30/06/2017 16h00
Agência MDS - Release Radio - 25/01/2017

 

LOC: O ministro do Desenvolvimento Social, Osmar Terra, esteve nesta sexta-feira em Porto Alegre, no Rio Grande do Sul, para reforçar a integração do Criança Feliz com programa gaúcho Primeira Infância Melhor, o PIM./ Participaram do encontro no Palácio Piratini, sede do governo gaúcho, a primeira-dama e secretária do Desenvolvimento Social, Maria Helena Sartori, o secretário de Saúde, Eduardo Gabardo, e as equipes do PIM e da assistência social./ A ideia é aproveitar a estrutura do programa estadual, que existe há 14 anos e tem como um dos pilares a visita domiciliar, para que o Criança Feliz possa ser implementado o mais breve possível no Rio Grande do Sul, com o início das visitas já nos próximos meses./

O ministro Osmar Terra reforçou a importância do acompanhamento domiciliar para que as crianças recebam os estímulos adequados no período mais importante do seu desenvolvimento, que são os primeiros mil dias.//
 
Sonora Osmar Terra
 
LOC:
A secretária do Desenvolvimento Social do Rio Grande do Sul, Maria Helena Sartori, destaca que o Estado foi o primeiro no país a fazer o acompanhamento domiciliar proposto pelo Criança Feliz e garante que, com a integração dos programas, os resultados serão ainda melhores.//
 
Sonora Maria Helena Sartori
 
LOC: 82 municípios gaúchos já aderiram ao Criança Feliz./ Em todo o país, 2.547 cidades participam do programa./ Pesquisas mostram que crianças bem cuidadas chegam à escola com melhores condições de aprendizado, estudam mais, são menos violentas e têm mais chances de vencer a pobreza./ Serão acompanhadas pelo programa as crianças beneficiárias do Bolsa Família até os três anos de idade e aquelas que recebem o Benefício de Prestação Continuada, o BPC, até os seis anos.//

Reportagem, André Luiz Gomes