Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Rádio > 2017 > Janeiro > Programas sociais serão fortalecidos em 2017

Programas sociais serão fortalecidos em 2017

publicado  em 02/01/2017 00h00

Loc: 2017 será um ano de fortalecimento dos programas sociais. Depois de receber o maior reajuste médio da história, 12,5 por cento, o Bolsa Família ganhará o reforço de outras iniciativas como o Programa Criança Feliz e ações que vão estimular o empreendedorismo e a geração de renda.

A atenção à primeira infância será uma prioridade do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário. Lançado em outubro de 2016, o Criança Feliz já conta com a adesão de todos os estados e 480 municípios. O programa vai estimular e acompanhar o desenvolvimento integral das crianças de baixa renda com ações nas áreas da saúde, educação, assistência social e cultura. As famílias receberão visitas periódicas de profissionais que vão mostrar aos pais a melhor maneira de estimular o desenvolvimento dos filhos nos primeiros mil dias de vida da criança. Nas famílias beneficiárias do Bolsa Família, o acompanhamento será semanal desde a gestação até os três anos de idade. Já nas famílias que recebem o Benefício de Prestação Continuada o acompanhamento será até os seis anos.

O Criança Feliz foi uma das principais medidas do governo federal na área social nestes primeiros 120 dias de gestão. Passada a fase de implantação, 2017 será o ano em que as ações vão chegar nas casas das pessoas. Para o ministro do Desenvolvimento Social e Agrário, Osmar Terra, o programa tem o potencial de se tornar a maior ação de desenvolvimento social e econômico do país.
 
Sonora: Osmar Terra – ministro do Desenvolvimento Social e Agrário

“É um programa para acompanhar os bebês, as crianças pequenas até os três anos de idade de todas as famílias que estão no programa Bolsa Família. Essas crianças serão acompanhadas por visitação domiciliar para que elas sejam estimuladas, tenham as mesmas oportunidades daquelas crianças filhas de famílias que têm mais recursos. Elas vão ter mais estímulos adequados para elas poderem chegar na escola em igualdade de condições e poder ter uma escolaridade maior do que a dos seus pais, ter uma renda no futuro maior do que a dos seus pais e ajudar toda a sua família a sair da pobreza.”

Loc: 2017 também será o ano de implantação da Estratégia Nacional de Inclusão Social e Produtiva. A iniciativa vai se somar ao Bolsa Família para promover a autonomia das pessoas inscritas no programa. Com previsão de lançamento nos próximos meses, as ações vão ajudar na criação de uma porta de saída do Bolsa Família. Jovens e adultos vão receber qualificação profissional, estímulo ao empreendedorismo e à inovação e terão acesso a linhas de crédito para abrirem o próprio negócio.

O ano que passou foi marcado ainda pelo maior reajuste da história do Bolsa Família: 12 e meio por cento. Autorizado em junho pelo presidente Michel Temer. O ministro Osmar Terra afirmar que o reajuste foi concedido para tentar amenizar os efeitos da inflação e é uma demonstração de que a área social é uma prioridade.

Sonora: Osmar Terra – ministro do Desenvolvimento Social e Agrário

“O programa estava há dois anos sem reajuste. São famílias que vivem em uma situação muito difícil, próximo à pobreza extrema. Então elas precisavam de alguma maneira ter reajustado. A inflação comeu boa parte do valor do programa e essas famílias estavam tendo dificuldade até de comprar, de colocar comida na mesa. Então, o presidente valorizou e marcou a sua posição a favor do programa quando ele deu um reajuste de 12,5% a todas as famílias a partir do mês de julho.”

Loc: Aumento que o beneficiário percebeu e que ajuda a melhorar a alimentação das famílias, como conta a Gislaine de Carvalho, de Dourados, no Mato Grosso do Sul.
 
Sonora: Gislaine de Carvalho – beneficiária

“Para mim, eu gostei do reajuste. Ajuda bastante esses 12%. Você vai no mercado e não compra nada, mas com esse dinheiro a mais, ajuda mais a gente a comprar as coisas, principalmente para eles, porque esse dinheiro eu uso mais para os meus filhos. Então é uma coisa que me ajuda bastante. Se eu não tivesse ele, não sabia com ia me virar com a minha vida. A alimentação é o que a gente mais gasta dentro de casa, né?”

Loc: A melhoria da gestão também foi uma marca destes 120 dias de governo. O controle sobre o uso dos recursos públicos foi aperfeiçoado. O Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário passou a contar com seis bases de dados para o cruzamento de informações. Isso melhorou o controle de entrada e permanência no Bolsa Família. Tudo para garantir que o dinheiro do programa vá para quem realmente precisa.

De Brasília, Carolina Graziadei