Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Rádio > 2016 > Outubro > INSS economizará R$ 139 milhões em auxílios-doença cancelados até o momento

INSS economizará R$ 139 milhões em auxílios-doença cancelados até o momento

publicado  em 18/10/2016 14h45

REP: 
Balanço parcial da revisão dos benefícios por Incapacidade do Instituto Nacional do Seguro Social, o INSS, mostra que o governo federal vai economizar 139 milhões de reais por ano com o cancelamento de mais de 8 mil e quatrocentos auxílios-doença. Este número representa 77% das perícias efetuadas até o momento. 

O processo de revisão dos benefícios de auxílio doença e de aposentadoria por invalidez foi iniciado há um mês. Nesta primeira fase da revisão, os peritos do INSS estão reavaliando as pessoas com até 45 anos de idade que recebem o auxílio-doença, mas não passaram pela avaliação dos peritos do INSS nos últimos dois anos./ Cerca de 80 mil cartas foram enviadas para os beneficiários. 

O secretário executivo do Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário, Alberto Beltrame, diz que na maior parte dos casos as pessoas já estão aptas para o trabalho, algumas até empregadas, mas continuavam recebendo o benefício./ 

TEC SONORA SECRETÁRIO ALBERTO BELTRAME 

REP: 
O secretário destacou ainda que mais de 3 mil e duzentos benefícios foram suspensos porque as pessoas perderam o prazo de cinco dias para marcar a revisão./ Além disso, 500 beneficiários foram encaminhados para reabilitação profissional./ Mil pessoas tiveram o auxílio-doença transformado em aposentadoria por invalidez depois que as perícias apontaram que elas tinham incapacidades permanentes para o trabalho./ 

Na avaliação de Beltrame, a revisão dos benefícios é mais uma iniciativa do governo federal para melhorar as finanças públicas e direcionar os recursos da Previdência para quem realmente precisa. 

TEC SONORA SECRETÁRIO ALBERTO BELTRAME 

REP
No total, o governo federal irá chamar cerca de 1 milhão e setecentos mil segurados da aposentadoria por invalidez e do auxílio-doença. A estimativa é que hoje são gastos mais de 6 bilhões de reais com pagamentos indevidos. 

De Brasília, Rodrigo Saccone

registrado em: