Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Notícias > 2019 > Setembro > Balneário Camboriú (SC) é referência em políticas para pessoas idosas

Notícias

Balneário Camboriú (SC) é referência em políticas para pessoas idosas

DESENVOLVIMENTO HUMANO

Município catarinense é exemplo de sucesso na implementação das diretrizes da Estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa, iniciativa do Ministério da Cidadania voltada ao envelhecimento ativo e saudável da população
publicado  em 30/09/2019 21h12
Foto: Ronaldo Caldas

Balneário Camboriú/SC - A perda do marido e a distância dos filhos fizeram com que a solidão fosse a principal companhia da argentina Liliana Lucia Roda, de 66 anos. Aos poucos, a tristeza foi se transformando em depressão e atividades do cotidiano passaram a ficar cada vez mais difíceis. Ela conta que já não saía de casa e se sentia incapaz de realizar atividades básicas, como ir ao supermercado ou caminhar na rua. Foi então que ela decidiu mudar de vida. Deixou seu país natal para morar em Balneário Camboriú (SC), cidade conhecida pela qualidade de vida e por oferecer serviços especializados para a população idosa.

A cidade catarinense é uma importante referência no País na implantação das diretrizes previstas na Estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa, criada pelo Ministério da Cidadania para incentivar municípios a desenvolverem políticas voltadas para o envelhecimento ativo e saudável da população. Atualmente, 471 municípios brasileiros já aderiram à iniciativa. O Brasil tem, atualmente, 30 milhões de idosos, sendo que 6 milhões estão no Cadastro Único.

Em Balneário Camboriú, o que mais chamou a atenção de Liliana foram os serviços oferecidos pela Casa da Mulher, administrada pela prefeitura municipal. O local, financiado totalmente pelo poder público, oferece aulas de línguas, atividades físicas, acompanhamento médico e psicológico, tudo de forma gratuita, para pessoas de todos os gêneros e idades. Ela conta que foi nesse local que encontrou o que mais precisava: carinho. “Quando você passa dos sessenta anos, é como se você perdesse a capacidade de receber abraços. Os filhos estão grandes, morando longe e não dão mais carinho. Esse foi o principal motivo da minha depressão”, conta ela, em lágrimas.

As atividades desenvolvidas na Casa e o acolhimento oferecido por servidores e voluntários ajudaram Liliana mais do que os próprios remédios. “Cada dia aqui é como um abraço contínuo, que faz com que a gente se sinta amada, se sinta importante. Este lugar me salvou” relata.

Depressão na terceira idade
Para a psicóloga Rosilda de Oliveira, que atende na Casa da Mulher, a depressão, em muitos casos, pode ser evitada com a ajuda da família. Ela conta que, antes da doença se desenvolver, o idoso dá sinais de que há algo errado. “Em geral, a pessoa mais velha expressa sua tristeza de forma diferente do jovem. Ele não vai dizer que está triste ou deprimido, mas vai expressar o sentimento através da falta de vontade de fazer as coisas, o que chamamos de anedonia”, explica. Outra forma de manifestação do problema, segundo Rosilda, é por meio de dores físicas. “É muito comum a questão da dor. Mas, na verdade, é esse estado emocional, de desprazer, que está sendo demonstrado como um desconforto generalizado”.

Rosilda alerta que a atenção a esses sintomas pode levar a um diagnóstico precoce, aumentando a chance de recuperação do idoso e evitando que o quadro se agrave. “Temos que prestar atenção na pessoa que está desanimando, desistindo da vida. Isso pode fazer toda a diferença”, observa.

Atividades físicas
Segundo o diretor do Departamento de Atenção ao Idoso do Ministério da Cidadania, Leonardo Milhomem, o envelhecimento ativo é capaz de diminuir doenças e aumentar a qualidade de vida da pessoa idosa. Atividades físicas e mentais são capazes de fazer com que o envelhecimento seja mais saudável. “Sabemos, pela ciência, que o envelhecimento é muito mais saudável quando acompanhado de exercício físico e de outras formas de estímulo. Por isso, iniciativas como estas que Balneário Camboriú vem desenvolvendo, com o apoio das políticas do Ministério da Cidadania, são fundamentais para elevar a qualidade de vida da população idosa”, comenta.

Denise Rocher, de 79 anos, não tem dúvidas de que a atividade física pode salvar vidas. Ela conta que caminha dois quilômetros todos os dias para ir até a Casa da Mulher, onde participa das aulas de ginástica. Ela acredita que a atividade física tem um papel fundamental em sua vida. “Quando cheguei do Paraná, há sete anos, eu me acomodei com a vida de aposentada. Não saía de casa, não fazia exercícios e não conseguia nem amarrar o próprio tênis. Agora, é diferente. Venho três manhãs por semana, faço ginástica, caminho e, quando chego em casa, ainda tenho disposição para fazer o almoço”, conta ela, orgulhosa.

Balneário Camboriú (SC) é referência em políticas para pessoas idosas (30/9/2019)

Estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa
A secretária nacional de Promoção do Desenvolvimento Humano do Ministério da Cidadania, Ely Harasawa, destaca que Balneário Camboriú foi uma das primeiras a adotar a Estratégia. Segundo ela, as políticas de cuidado à pessoa idosa desenvolvidas na cidade são exemplo para outros municípios. “Desde o lançamento da Estratégia, Balneário se mostrou interessada em adotar nossas políticas e em melhorar os serviços prestados ao idoso. Hoje, o trabalho desenvolvido em acessibilidade, integração e atenção ao idoso é referência para todo o Brasil”, aponta ela.

A Estratégia Brasil Amigo da Pessoa Idosa contempla idosos inscritos no Cadastro Único para Programas Sociais do governo federal e reúne ações dos setores governamentais, organismos internacionais e instituições públicas e privadas. Ao aderir à estratégia, estados e municípios assumem o compromisso de garantir o direito dos idosos e de desenvolver ações voltadas a essa população. Organizado em plano que contém cinco fases, o acordo inclui termos como a criação ou fortalecimento dos conselhos municipais dos direitos da pessoa idosa; a capacitação de servidores e o desenvolvimento de plano de ação.

*Por Henrique Jasper

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cidadania

Informações para a imprensa:
(61) 2024-2266 / 2412