Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Notícias > 2019 > Outubro > Municípios brasileiros podem aderir ao maior programa de desenvolvimento infantil do mundo

Notícias

Municípios brasileiros podem aderir ao maior programa de desenvolvimento infantil do mundo

CRIANÇA FELIZ

Prazo está aberto para mais de 1.500 cidades; gestores de onde o programa já acompanha crianças e gestantes comentam os resultados positivos das ações
publicado  em 24/10/2019 16h50
Foto: Mauro Vieira/Ministério da Cidadania

O prazo para a adesão de municípios de todo o País ao programa Criança Feliz, do governo federal, está aberto. Nesta etapa, 1.571 cidades têm a chance de ingressarem no maior programa de visitação domiciliar para o desenvolvimento infantil do mundo. Onde o Criança Feliz já está presente e promove o acompanhamento semanal de crianças e gestantes, gestores veem os avanços e comentam sobre os benefícios.

É o caso de Campo Grande (MS), onde a supervisora do programa, Gizeli do Prado afirma que as atividades impactam no desenvolvimento de filhos e filhas de famílias de baixa renda inscritas no Cadastro Único para Programas Sociais e crianças com deficiência. “Eu recomendo a todos os gestores a adesão porque na nossa experiência estamos vendo uma diferença muito grande nas famílias atendidas”, afirmou.

Para ser elegível, o município deve ter ao menos um Centro de Referência de Assistência Social (Cras) e, no mínimo, 140 pessoas do público prioritário do programa. São eles: gestantes e crianças de até três anos inscritas no Cadastro Único e crianças até seis anos que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

Em Santa Catarina, a cidade de Porto Belo é precursora na implantação do Criança Feliz. A supervisora Mara Machado afirma que o programa faz a diferença, e o trabalho da equipe para auxiliar no desenvolvimento das crianças, estimular atividades e o convívio com as famílias pode servir de exemplo para outros municípios. “Eu creio que toda a cidade que vier visitar Porto Belo, que queira aderir ao Criança Feliz para trabalhar com a primeira infância, vai sair daqui com a certeza de que esse programa funciona” enfatizou.

Crianças acompanhadas e estimuladas de forma correta se desenvolvem melhor e possuem mais chances de vencer a pobreza, reforça a secretária nacional de Promoção do Desenvolvimento Humano, Ely Harasawa. Segundo a representante do governo federal, a adesão dos municípios brasileiros deve ser uma prioridade dos gestores. “Isso é muito importante porque queremos atingir ainda mais famílias para que elas tenham a chance e as condições de desenvolver o pleno potencial de suas crianças”, afirmou.

Em setembro, o programa venceu a edição 2019 de um dos maiores prêmios internacionais do mundo na área da educação: o WISE Awards da Cúpula Mundial de Inovação para a Educação. O prêmio reconheceu o trabalho como uma das principais e mais inovadoras iniciativas do mundo na área. A premiação concedida pela Fundação Catar é considerada uma das mais concorridas e prestigiadas do mundo. O programa brasileiro de atenção à primeira infância competiu com mais de 480 projetos de vários países.

Adesão

Para aderir ao Criança Feliz, o gestor da assistência social deve acessar o sistema Rede SUAS. Em seguida, preencher o Termo de Adesão e encaminhá-lo para aprovação do Conselho Municipal de Assistência Social. O município ainda deverá elaborar um diagnóstico regional e um plano de ação para a execução das visitas domiciliares.

Saiba mais
Coordenado pelo Ministério da Cidadania por meio da Secretaria Especial do Desenvolvimento Social, o Criança Feliz promove o desenvolvimento adequado na primeira infância, integrando ações nas áreas de assistência social, cultura, educação, justiça e direitos humanos e saúde. Até o momento, o programa está presente em 2.620 municípios brasileiros e já atendeu mais de 800 mil crianças e gestantes. No total, mais de 22,1 milhões de visitas domiciliares foram realizadas por cerca de 19 mil profissionais capacitados que orientam sobre o desenvolvimento das crianças de até três anos inseridas no Cadastro Único para programas sociais do governo federal e de até seis anos que recebem o Benefício de Prestação Continuada (BPC).

*Por Diego Queijo

Assessoria de Comunicação
Ministério da Cidadania

Informações para a imprensa:
(61) 2024-2266 / 2412