Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Notícias > 2016 > Março > Uma alimentação melhor desde a escola

Notícias

Uma alimentação melhor desde a escola

CONSUMO

Campanha Brasil Saudável e Sustentável vai reforçar que crianças consumam produtos saudáveis e estimulem pais a melhorarem hábitos
publicado  em 15/03/2016 16h35
Foto: Ubirajara Machado/MDS

Brasília – Uma das principais ações da campanha Brasil Saudável e Sustentável será melhorar a alimentação escolar. Segundo a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, que participou do lançamento da iniciativa nesta terça-feira (15), no Rio de Janeiro, as crianças aprendem na escola a comer melhor e leva esse aprendizado para toda a família. “Queremos que a criança fale: ‘não compre isso, pai’. Estamos em uma grande disputa para ganhar as crianças dentro da escola, para que eles possam nos ajudar a ganhar também os adultos.” 

Em parceria com a Secretaria Municipal de Educação do Rio de Janeiro e agentes do programa Saúde na Escola, serão realizados um seminário e até 100 oficinas de Educação Alimentar e Nutricional em escolas públicas municipais, onde o tema da alimentação saudável será trabalhado de forma lúdica e prática. Na capital fluminense, são mais de 1,1 milhão de refeições diárias em toda a rede de ensino. “Assim a ação sai dos muros da escola, se alarga para além dos pais e vai para a comunidade”, afirma a secretária municipal de Educação, Helena Bolmeny. 

As escolas vão receber também kits de apoio pedagógico voltados ao tema, composto de cinco vídeos e uma cartilha, elaborada pelo Programa Saúde na Escola (PSE), que integra as Secretarias de Saúde e da Educação da prefeitura. “Ainda falta conhecimento, para muitas crianças e as famílias, do que realmente é o alimento saudável”, explica a agente comunitária de saúde do PSE, Cintia Cavalcante. 

Redução de doenças – A alimentação saudável e de qualidade é um grande desafio para o Brasil. Atualmente, um terço das crianças brasileiras está com sobrepeso, 56,9% da população adulta está com excesso de peso e destes, 21,3% estão obesos. Isto tem contribuído com a expansão de doenças crônicas, como diabetes, hipertensão, muitas delas decorrentes da má alimentação, e que são responsáveis 72% das mortes no Brasil. 

O Instituto Nacional do Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) elenca a obesidade como um dos fatores de riscos para se desenvolver o câncer. “A população não tem amplitude do que é a alimentação saudável e hábitos saudáveis de vida. Essa é uma batalha que o Inca vem desenvolvendo na sua área de prevenção”, afirma o diretor-geral do Inca, Luiz Fernando da Silva Bouzas. 

O diretor e a ministra Tereza Campello assinaram acordo de cooperação técnica para reforçar a campanha Brasil Saudável e Sustentável. O Inca vai apoiar as ações na rede de ensino e junto ao consumidor final, além de promover iniciativas próprias. “Em 2016, prevemos cerca de 600 mil casos novos de câncer. Desses, cerca de 200 mil podem ser prevenidos se realizarmos campanhas de hábitos saudáveis de vida”, reforça Bouzas. 

Parcerias – O setor privado é peça importante da campanha. Um calendário de atividades, com apoio do Sindicato de Hotéis, Bares e Restaurantes do Rio de Janeiro (SindRio), está sendo desenvolvido para despertar, entre os empresário do setor, a consciência cada vez maior do papel que cumpre na promoção da alimentação saudável e sustentável junto ao consumidor final. 

Durante o lançamento, chefes de cozinha também participaram das discussões. “Essa articulação de todos os setores é muito importante para que a gente consiga uma mudança visível e prática. É muito difícil mudar os hábitos alimentares de uma pessoa. Mas essa pequena mudança já é importante”, explica a apresentadora Bela Gil. 

Os chefes vão participar, entre 5 e 14 de agosto, das Praças Brasil Saudável e Sustentável, que serão instaladas em pontos estratégicos da cidade do Rio de Janeiro durante os Jogos Olímpicos. “Uma alimentação mais saudável, justa e limpa é direito de todos nós. Estou feliz por poder contribuir com o aproveitamento total dos alimentos. Alimento é vida, é amor, é transformação”, afirma a chef Regina Tchelly, do Favela Orgânica. 

Além das atividades envolvendo chefes de cozinha, nutricionistas, grupos culturais, entre outros, cada praça vai receber 10 empreendimentos da agricultura familiar, de várias partes do Brasil. Eles farão a venda direta de seus produtos ao consumidor. “Precisamos aumentar a oferta de alimentos saudáveis. Esse é o nosso grande desafio. A agricultura familiar é uma das grandes responsáveis por colocar comida saudável na mesa da população”, destaca Tereza Campello. 

Nesta terça-feira (15), foi lançado também o aplicativo móvel de localização das feiras orgânicas em todo país. Por meio dele, é possível acessar o Mapa de Feiras Orgânicas elaborado pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (IDEC) pelo celular, gratuitamente. É uma ferramenta colaborativa e conta com a participação do usuário para manter as informações atualizadas. 

A campanha ainda se junta ao Circuito Carioca de Feiras Orgânicas, uma iniciativa da prefeitura do Rio de Janeiro, para ajudar a transformar estes espaços em referência na promoção do consumo de alimentos saudáveis. No calendário, a realização de oficinas envolvendo o público consumidor, produtores e chefs de cozinha, além da nova identidade das feiras, que passará a incorporar a mensagem do Brasil Saudável e Sustentável. 

Informações sobre os programas do MDS:
0800-707-2003
mdspravoce.mds.gov.br 

Informações para a imprensa:
Ascom/MDS
(61) 2030-1021
www.mds.gov.br/saladeimprensa