Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Notícias > 2016 > Março > Parceria vai entregar mais 3,4 mil tecnologias de produção no Semiárido

Notícias

Parceria vai entregar mais 3,4 mil tecnologias de produção no Semiárido

PROGRAMA CISTERNAS

Durante anúncio de nova etapa de parceria entre MDS, BNDES e ASA, ministra Tereza Campello destacou a importância da iniciativa para a adaptação climática
publicado  em 31/03/2016 15h29
Paulo Araújo/MDA

Brasília - “As cisternas são a maior ação de adaptação climática do mundo”, afirmou nesta quinta-feira (31) a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello. Ela participou do anúncio da segunda etapa da parceria entre Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS) e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES) para implantação de tecnologias de acesso à água para produção no Semiárido. “Nós conseguimos mudar a paisagem do Nordeste e a realidade do povo sertanejo.”

Serão construídas 3,4 mil tecnologias sociais para apoiar a produção agrícola, com investimento de R$ 46,8 milhões. Também serão implantados bancos comunitários para selecionar e preservar as sementes nativas adaptadas ao Semiárido. Na primeira etapa, foram investidos R$ 84 milhões para implantar 20 mil tecnologias para produção, por meio da Associação Programa Um Milhão de Cisternas (AP1MC) e da Fundação Banco do Brasil (FBB).

Tereza Campello destacou o efeito produzido pela entrega de 1,2 milhão de cisternas de água para o consumo humano e outras 160 mil tecnologias sociais de apoio à produção. “O maior impacto foi passarmos por quatro anos de seca – uma tragédia – e ninguém ter migrado para os grandes centros”, destacou. Ela ainda apontou que os reservatórios, que armazenam água da chuva para ser usada durante a estiagem, contribuem para a garantia de uma maior dignidade e qualidade de vida para os mais pobres. “É uma ação gigantesca, que envolve um processo limpo: recolhe a água da chuva sem gastar energia, usa as comunidades locais para a construção e democratiza o acesso à água.”

Leia também:
- Cisternas garantem água, segurança alimentar e vida digna aos sertanejos
- “A gente sabe que tem água, que a renda tá garantida”

Sandra da Silva, 35 anos, é beneficiária do Bolsa Família e recebeu uma tecnologia social de apoio à produção por meio da parceria entre o MDS, o BNDES e a Articulação do Semiárido Brasileiro (ASA). Ela mora em uma comunidade quilombola em Patu (RN) e relatou no evento a dificuldade que a população rural passava. “Antes era uma dificuldade muito grande para ter água. A cisterna melhorou muito a nossa vida. Aquelas mulheres que estavam com a lata d’água na cabeça, com aquele sofrimento, já não passam mais por isso.”

Segundo o presidente do BNDES, Luciano Coutinho, que os investimentos na entrega de cisternas o enchem de orgulho e alegria, além de destacar a abertura para novas parcerias. “Os avanços precisam continuar para nos tornarmos uma pátria ainda menos desigual.”

O coordenador da ASA, Neidison Quintela, afirmou que o Programa Cisternas mostra que “o Semiárido não é inviável. Inviáveis eram as políticas que estavam dirigidas para a população daquela região”. Ele ressaltou ainda a importância de armazenar sementes crioulas nos mais de 600 bancos comunitários que estão sendo estruturados. “Essas ações garantem autonomia em relação ao estado, capacidade de plantio e pluralidade de sementes.”

Quintela ainda defendeu a continuidade do processo de inclusão social das famílias pobres rurais da região. “Se paramos de desenvolver esses programas, devolvemos toda aquela população à dimensão da miséria, de abandono”, afirmou. “Precisamos garantir as políticas de inclusão para tornar a vida das pessoas melhor e mais digna.”

Informações sobre os programas do MDS:
0800-707-2003
mdspravoce.mds.gov.br

Informações para a imprensa:
Ascom/MDS
(61) 2030-1021
www.mds.gov.br/area-de-imprensa