Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Notícias > 2016 > Julho > Gestores apresentam experiências de sucesso da Primeira Infância

Notícias

Gestores apresentam experiências de sucesso da Primeira Infância

DESENVOLVIMENTO SOCIAL

Os programas têm o objetivo de desenvolver a convivência e fortalecer os vínculos familiares. Segundo os gestores, eles têm ajudado as famílias a melhorar de vida
publicado  em 07/07/2016 17h07

Brasília – As trocas de experiências têm sido um dos principais destaques do IV Seminário Internacional Marco Legal da Primeira Infância. Na manhã desta quarta-feira (7), gestores de estados e munícipios apresentaram cases de sucesso de programas voltados para a Primeira Infância. Com o objetivo de desenvolver a convivência e fortalecer os vínculos familiares, os programas têm ajudado milhares de famílias em vulnerabilidade social a melhorar de vida. 

O programa Primeira Infância Melhor (PIM), do Rio Grande do Sul (RS), por exemplo, está funcionando em 243 municípios e acompanha mais de 51 mil famílias. Por meio de visitas semanais, as famílias são orientadas, a partir de sua cultura e experiências, para que promovam o desenvolvimento integral de suas crianças desde a gestação até os seis anos de idade. 

Em 2006, o PIM tornou-se lei estadual. Com referências multidisciplinares, o programa tem foco no desenvolvimento pleno das capacidades físicas, intelectuais, sociais e emocionais do ser humano, e tem como eixos de sustentação a comunidade, a família e a intersetorialidade. 

A coordenadora do programa, Gisele Mariuse, explicou que várias pesquisas, nacionais e internacionais, mostram a efetividade do PIM. A Universidade McMaster do Canadá percebeu maior protagonismo dos pais na vida escolar das crianças. “A Universidade de Porto Alegre mostrou um parecer onde as crianças mais vulneráveis, que são o nosso público, chegam em um mesmo nível de desenvolvimento que aquelas que não têm os mesmos problemas como renda ou saneamento”, explicou. 

Ceará - Outro programa apresentado, o Mais Infância Ceará em  apenas um ano já está mostrando bons resultados. Além de fortalecer os vínculos familiares, a iniciativa constrói e revitaliza espaços públicos adequando para o uso das crianças. A ação promove o desenvolvimento infantil, revitalização de espaços públicos, qualificação de técnicos e construção de Centros Educacionais. 

“O programa tem apenas um ano e já temos técnicos capacitados para trabalhar no programa em 32 munícipios e já começaram o acompanhamento das famílias. Hoje temos quase três mil famílias já mapeadas. Também já implantamos 10 Núcleos de Estimulação Precoce nas policlínicas”, ressaltou a primeira-dama do estado, idealizadora do programa, Onélia de Santana. 

Campinas - A Família Acolhedora também teve seu case de sucesso. A cidade de Campinas (SP) apresentou o Serviço Alternativo de Proteção Especial à Criança e ao Adolescente (Sapeca), criado em 1997, o programa já atendeu 180 crianças e adolescentes. Durante esses anos, 23 acolhidos voltaram para suas famílias de origem e 58 foram adotados. O programa recebe crianças e adolescentes com medida protetiva e os encaminham para famílias acolhedoras até voltarem para a família de origem.  

O serviço tem sido uma alternativa aos Abrigos e Casas de Acolhimento. “Entendemos que essa proteção pode ser oferecida no serviço de alta complexidade onde em um momento tão difícil da criança ela pode ter o atendimento de várias pessoas entorno da necessidade dela”, avaliou a secretária de Assistência Social de Campinas, Janete Valente. 

Informações para a imprensa:
Ascom / Ministério do Desenvolvimento Social e Agrário
(61) 2030-1021
http://www.mds.gov.br/area-de-imprensa