Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Notícias > 2016 > Janeiro > Ministra reforça continuidade das ações de convivência com o Semiárido

Notícias

Ministra reforça continuidade das ações de convivência com o Semiárido

CISTERNAS

Tereza Campello destacou que cisternas garantiram água de qualidade para 4 milhões de pessoas
publicado  em 20/01/2016 15h25
Ubirajara Machado/MDS

Brasília – A ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, celebrou, nesta quarta-feira (20), a melhoria de vida da população rural do Semiárido com as cisternas. “Estamos executando o maior programa de readaptação ao clima do mundo, seja do ponto de vista da população atingida ou do território. Conseguimos levar água para 4 milhões de pessoas no Semiárido, um território que equivale a quase duas Franças”. 

Durante encontro com gestores e representantes dos governos estaduais, de consórcios e da sociedade civil, a ministra apresentou um balanço do Programa Cisternas. Em 2015, foram construídas 125,7 mil novas cisternas para o consumo humano, o que totaliza mais de 1,2 milhão de unidades desde 2003. Outras 158 mil tecnologias sociais de apoio à produção foram construídas entre 2011 e 2015. Além disso, 1,7 mil escolas rurais já estão utilizando cisternas de 52 mil litros para garantir a água para o consumo e para preparar a alimentação dos alunos.   

“Depois de um período de estiagem de cinco anos, caiu uma chuva inesperada e conseguimos encher as nossas cisternas, garantindo que a população tenha água potável para beber e cozinhar pelos próximos oito meses”, afirmou. 

A ministra ressaltou também que ainda há muito a fazer. “Precisamos continuar construindo cisternas de primeira água [para o consumo humano] para quem ainda não tem. Temos que avançar na construção da cisterna de segunda água [para produção] e em territórios fora do Semiárido”, disse. “A falta de água é a expressão mais dramática da pobreza”. 

Ela explicou ainda como o acesso à água e as ações de convivência do sertanejo com o Semiárido contribuíram para a redução da pobreza extrema no país. “A meta de extrema pobreza das Nações Unidas para 2030 é de chegar a 3%. Nós já estamos abaixo disso graças a políticas como o Programa Água Para Todos, o Pronaf [Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar], o PAA [Programa de Aquisição de Alimentos], o Seguro Safra. Mas não podemos achar que chegamos a 2,5% e acabou o nosso trabalho”, afirmou. 

Leia também:
“A chuva que está caindo no sertão traz muita felicidade”
Programa Cisternas: acesso à água avança no Semiárido
Chuva renova esperança de agricultor familiar no Rio Grande do Norte

Amazônia – Tereza Campello também destacou o Projeto Sanear Amazônia, executado em parceria com o Memorial Chico Mendes, e que vai garantir água de qualidade para 2,8 mil famílias na região Amazônica. “Na região Norte, também estamos captando água da chuva e entregando uma estrutura básica de saneamento para garantir uma maior qualidade de vida para a população das reservas extrativistas”, explicou. O Sanear Amazônia está construindo tecnologias sociais em oito reservas extrativistas nos estados do Acre, Amapá, Amazonas e Pará. 

Informações sobre os programas do MDS:
0800-707-2003
mdspravoce.mds.gov.br 

Informações para a imprensa:
Ascom/MDS
(61) 2030-1021
www.mds.gov.br/area-de-imprensa