Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Notícias > 2015 > Outubro > “É uma semente boa e ligeira”

Notícias

“É uma semente boa e ligeira”

SEGURANÇA ALIMENTAR

Marinei Maria dos Santos foi beneficiada com sementes de milho, por meio da modalidade Aquisição de Sementes do Programa de Aquisição de Alimentos. Moradora da comunidade quilombola Tapuio, no Piauí, ela já conseguiu produzir suas próprias sementes
publicado  em 21/10/2015 17h53
Foto: Ubirajara Machado/MDS

Foto: Ubirajara Machado/MDS

Brasília - Na comunidade Tapuio, localizada no município de Queimada Nova (PI), vivem 25 famílias quilombolas, entre elas a de Marinei Maria dos Santos, 46 anos. A roça sempre foi a sua lida. Lá, ela planta feijão, abóbora, melancia e mandioca. Em 2013, Neinha, como é conhecida, foi beneficiada com sementes de milho, adquiridas e distribuídas por meio da modalidade Aquisição de Sementes do Programa de Aquisição de Alimentos (PAA).

Naquele ano, ela iniciou o plantio e o resultado veio em seguida: produziu seis quilos da semente. Neinha cultivou tudo novamente e o melhor ainda estava por vir. A segunda safra resultou em 20 sacos de milho de 60 quilos cada. Deste total, ela já reservou três sacos de sementes para plantar no próximo inverno.

A agricultora conta que a segunda safra foi tão boa que ela pode distribuir sementes para todas as famílias da comunidade. “Certamente posso dividir com quem não tem”, destaca. Segundo ela, a melhor época de plantio vai de janeiro a março, quando começam as chuvas.

“Mesmo dependendo da água da chuva, tenho a certeza que plantando vou conseguir colher. É uma semente muito boa, ligeira. Com 65 dias, o milho já está no ponto”, disse. A produção também é usada para consumo próprio e na alimentação de animais.

Neinha ressalta que, antes de ser beneficiada pelo PAA Sementes, dependia dos “atravessadores”.  “Nos últimos três anos de seca, se não fosse essa semente, não sei como seria. Não tínhamos para plantar e ainda dependíamos dos atravessadores que não tinham semente boa e o risco de ser transgênico é muito grande”, acrescenta.

A agricultora também é beneficiária do Programa Cisternas. Há seis anos recebeu a tecnologia para consumo humano. “Imagina você ter que andar quilômetros todos os dias com uma lata de 18 litros na cabeça. A água era barrenta. Era uma vida muito sofrida. Agora, não passo mais por isso”.

Saiba mais
Na modalidade Aquisição de Sementes, o PAA pode comprar sementes de organizações da agricultura familiar detentoras da Declaração de Aptidão ao Pronaf (DAP Jurídica), e as destinar a agricultores familiares, conforme demanda de órgãos parceiros.

Na destinação das sementes, são priorizadas as famílias de agricultores familiares inscritos no Cadastro Único, mulheres, assentados, povos indígenas, quilombolas e demais povos e comunidades tradicionais.

Informações sobre os programas do MDS:
0800-707-2003
mdspravoce.mds.gov.br

Informações para a imprensa:
Ascom/MDS
(61) 2030-1021
www.mds.gov.br/area-de-imprensa