Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Notícias > 2015 > Março > Semiárido: MDS vai construir 5 mil cisternas em escolas rurais até 2016

Notícias

Semiárido: MDS vai construir 5 mil cisternas em escolas rurais até 2016

ACESSO A ÁGUA

Reservatórios vão permitir a armazenagem e o abastecimento de água própria para consumo em cerca de 50% das escolas públicas da área rural da região, o que atenderá 295 mil alunos
publicado  em 02/03/2015 10h23

Brasília, 2 – O Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS), em parceria com o Articulação no Semiárido Brasileiro (ASA), vai construir 5 mil cisternas para captação de água da chuva em escolas públicas do Semiárido até 2016. 

O repasse do ministério para a ação é de R$ 69 milhões. Do total de cisternas, 300 atenderão comunidades quilombolas e indígenas. A medida vai permitir a armazenagem e o abastecimento de água própria para consumo em cerca de 50% das escolas públicas da área rural da região, que atendem 295 mil alunos. 

Cisternas Escolares
Estado Escolas a serem atendidas
AL 310
BA 1.150
CE 725
MG 300
PB 775
PE 906
PI 375
RN 375
SE 84
Total 5.000

A cisterna escolar é construída nos mesmos moldes das cisternas de água para consumo familiar. Desde 2003, mais de 1,1 milhão de reservatórios foram instalados no período. Feitas com placas de cimento, a cisterna escolar tem capacidade maior de armazenagem (52 mil litros) e pode garantir o acesso à água por oito meses (contando 20 dias de aula por mês). 

“Essas cisternas ampliam o acesso à água no ambiente escolar, servindo para consumo e preparo dos alimentos servidos nas escolas. Os reservatórios evitam a contaminação por verminoses e doenças, contribuindo para que as crianças entendam como conviver com a seca. A água é um direito delas”, afirma o secretário nacional de Segurança Alimentar e Nutricional do MDS, Arnoldo de Campos.

A construção das cisternas de 52 mil litros nas escolas também prevê a capacitação de gestores e professores para a gestão da água captada e armazenada. A iniciativa tem o objetivo de orientar os profissionais sobre a finalidade daquela água coletada, sobre a importância da educação alimentar e nutricional e temas de convivência com o semiárido junto às crianças.

O valor repassado pelo MDS inclui ainda a implantação de bomba elétrica e a compra de filtros de barro para utilização e tratamento da água coletada. Além disso, serão realizados encontros com instituições como prefeituras, associações e igrejas para selecionar as escolas que serão atendidas.

Nesta terça-feira (3), um encontro em Juazeiro (BA) marcará o início da ação no Semiárido. Coordenadores do projeto nos estados da região e representantes do MDS participarão do evento.