Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Notícias > 2015 > Março > Beneficiários do Bolsa Família têm mais chance de cura na tuberculose

Notícias

Beneficiários do Bolsa Família têm mais chance de cura na tuberculose

POLÍTICAS PÚBLICAS

Estudo da UnB aponta que quem recebe a transferência de renda tem 5,4 pontos percentuais a mais de chance de melhorar da doença
publicado  em 19/03/2015 17h50

Brasília – Combater a pobreza também é investir na saúde da população. Este é o resultado da pesquisa inédita da mestranda em epidemiologia das doenças infecciosas e parasitárias da Universidade de Brasília (UnB), Ana Wieczorek Torrens.

A tese de mestrado O impacto do Bolsa Família na cura da tuberculose comparou um grupo formado por pessoas diagnosticadas com a doença e beneficiárias do Bolsa Família com outro composto de beneficiários incluídos no programa após o encerramento do tratamento. “A proporção de cura entre os beneficiários do Bolsa Família foi 86%, 5,4 pontos percentuais acima do grupo não exposto ao benefício durante o tratamento”, destacou Ana, que trabalha como fisioterapeuta epidemiologista no Ministério da Saúde.

“Essa melhoria é estatisticamente significativa”, explicou a pesquisadora. Segundo a mestranda, a nova estratégia de controle da tuberculose recomenda a proteção social para os pacientes com tuberculose. O estudo é o primeiro achado da efetividade da transferência de renda condicionada na cura da doença. “A tuberculose é uma doença relacionada à pobreza, os casos se concentram em populações mais vulneráveis. E a transferência de renda condicionada se torna uma possibilidade para melhorar a adesão ao tratamento”, explicou.

O estudo cruzou dados entre o Sistema de Informação de Agravos de Notificação (Sinane), o Cadastro Único para Programas Sociais do Governo Federal e a folha de pagamento do Bolsa Família da Caixa Econômica Federal, durante o ano de 2010. Segundo o Ministério da Saúde, a tuberculose é sério problema da saúde pública no Brasil. São notificados aproximadamente 70 mil novos casos a cada ano e 4,6 mil pessoas morrem em decorrência da doença. O Brasil ocupa o 17º lugar entre os 22 países responsáveis por 80% do total de casos de tuberculose no mundo. Nos últimos 17 anos, a doença apresentou queda de 38,7% na taxa de incidência e 33,6% na taxa de mortalidade.