Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Notícias > 2015 > Maio > Acesso à educação infantil e redução da evasão escolar dos jovens são desafios na educação, afirma ministra

Notícias

Acesso à educação infantil e redução da evasão escolar dos jovens são desafios na educação, afirma ministra

POLÍTICAS SOCIAIS

Tereza Campello participou de debate sobre perspectivas da inclusão e da proteção social de crianças e adolescentes promovido pelo Unicef
publicado  em 05/05/2015 18h20
Exibir carrossel de imagens Foto: Ana Nascimento/MDS

Foto: Ana Nascimento/MDS

Brasília – A ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, afirmou que, além de evitar retrocessos na inclusão social, as políticas públicas devem ampliar o acesso às creches e à educação infantil para as crianças mais pobres. Outro grande desafio a ser enfrentado nos próximos anos é manter os jovens acima de 14 anos na escola. A ministra participou nesta terça-feira (5) do Momento Estratégico de Reflexão, promovido pelo Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef).                                                                                              

As ações para o enfrentamento à pobreza e redução da desigualdade dos últimos anos tiveram forte impacto entre crianças e adolescentes, lembrou Campello. Desde 2011, o Plano Brasil Sem Miséria mantém 22 milhões de pessoas que fora da linha da extrema pobreza. Desse universo, cerca de 8,1 milhões são crianças e adolescentes. As ações do Brasil Carinhoso garantiram a presença de 20% das crianças de zero a três anos do Bolsa Família em creches. “Nossa atuação tem chegado às crianças aliviando a pobreza, garantindo que elas tenham escola, que tenham acesso à saúde e garantindo que elas tenham direito. O que estamos discutindo agora é como avançar ainda mais”, destacou.

Segundo Campello, é necessário construir uma política que garanta a universalização da educação infantil e, ao mesmo tempo, garanta a redução da desigualdade, com uma política diferenciada para os mais pobres. “Nós queremos educação para todos, mas somente esse dizer não permite que os mais pobres tenham acesso primeiro”, observou. A ministra disse ainda que a evasão escolar dos jovens, decorrente da pobreza ou desinteresse na escola, também será foco da agenda dos próximos anos.

Entre os resultados das políticas públicas destacados pela ministra está a queda da pobreza multidimensional brasileira de 8,3% da população, em 2002, para 1,1%, em 2013. Esse indicador, desenvolvido pelo Banco Mundial, reflete privações em várias dimensões da pobreza, como educação, saúde e acesso a bens e serviços. A queda da pobreza multidimensional foi maior nos segmentos da população que concentravam o maio percentual de pobres: famílias com filhos pequenos, negros e nordestinos.

A ministra falou ainda que o Unicef pode ser parceiro do MDS na divulgação das políticas sociais de sucesso brasileira e dos resultados de redução da desigualdade entre as crianças, dentro e fora do Brasil. “Uma parte grande do que a gente consegue melhorar de aceitação de políticas voltadas a redução da desigualdade no Brasil vem de fora, vem de apoio de agências internacionais, em especial do sistema ONU, de países parceiros e intelectuais”, finalizou.

Encontro – O Momento Estratégico de Reflexão reuniu representantes da Unicef Brasil e internacional, gestores de políticas públicas federais, senadores e deputados, setor privado e sociedade civil para analisar os principais resultados obtidos pelo país na promoção de direitos da criança e adolescentes nos últimos 25 anos. O objetivo é estabelecer novas agendas para a infância brasileira nos próximos 20 anos e bases conceituais para o Programa de País 2017-2021.


Informações sobre os programas do MDS:
0800-707-2003
mdspravoce.mds.gov.br

Informações para a imprensa:
Ascom/MDS
(61) 2030-1021