Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Notícias > 2015 > Julho > “Saí do Creas transformado”

Notícias

“Saí do Creas transformado”

ASSISTÊNCIA SOCIAL

Sem perspectiva de vida, Daniel mudou sua história com os serviços do Centro de Referência Especializado de Assistência Social
publicado  em 16/07/2015 00h00
Foto:Sérgio Amaral/MDS Creas de Cruzeiro do Sul, no Acre

Creas de Cruzeiro do Sul, no Acre

Brasília, – Daniel*, 19 anos, chegou ao Centro de Referência Especializado de Assistência Social (Creas) de Cruzeiro do Sul, no Acre, aos 16 anos. “Diziam que minha solução era a cadeia”, lembra. Ele conta que cresceu em uma comunidade violenta e não tinha nenhuma perspectiva de vida até conhecer o centro.

“Fui acolhido com todos os meus problemas e me fizeram enxergar um mundo novo, longe de tudo o que eu já tinha feito e passado”. Para Daniel, o serviço do Creas é essencial na recuperação dos adolescentes. “Saí transformado”, destaca. Hoje, ele está seguindo carreira militar no Exército.

Assim como Daniel, outros milhares de adolescentes entre 12 e 18 anos em todo o país são atendidos pelo Serviço de Proteção a Adolescentes em Cumprimento de Medida Socioeducativa de Liberdade Assistida e de Prestação de Serviços à Comunidade, nos Creas. Só em 2014, 67 mil jovens começaram a ser beneficiados.

Para atender a esta demanda e de outros serviços, o governo federal realizou forte investimento para ampliar essa rede, que teve crescimento de 677% nos últimos 10 anos. Hoje, são 2.440 Creas em todo o país.


Do total de adolescentes atendidos com medidas socioeducativas nos Creas, 95% são do sexo masculino, 66% vivem em situação de pobreza e extrema pobreza e 60% são negros e pardos. “Esses adolescentes precisam ter acesso a políticas públicas. O trabalho desenvolvido busca a reconstrução e ressignificação de vida deles”, destaca Telma Maranho, diretora de Proteção Social Especial do Ministério do Desenvolvimento Social e Combate à Fome (MDS).

O serviço inclui acompanhamento familiar, atividades de convivência e fortalecimento de vínculos, encaminhamento dos adolescentes, a partir dos 14 anos, para a aprendizagem e, acima de 16 anos, para a profissionalização. 

“O trabalho é intersetorial e envolve a rede de educação e saúde. Muitos desses adolescentes param de estudar e acabam sendo dependentes de drogas. O esporte e a cultura também são políticas fundamentais para potencializá-los”, reforça Telma.

(*) Nome fictício

Informações sobre os programas do MDS:
0800-707-2003
mdspravoce.mds.gov.br

Informações para a imprensa:
Ascom/MDS