Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Notícias > 2015 > Abril > Banco Mundial diz que Brasil praticamente erradicou a pobreza

Notícias

Banco Mundial diz que Brasil praticamente erradicou a pobreza

COMBATE À POBREZA

Relatório mostra que políticas públicas do governo federal, como o Bolsa Família e o Plano Brasil Sem Miséria, contribuíram para a redução da pobreza extrema de 10% para 4%, entre 2001 e 2013
publicado  em 22/04/2015 15h10

Brasília – O Programa Bolsa Família e o Plano Brasil Sem Miséria contribuíram para a redução da pobreza extrema de 10% para 4%, entre 2001 e 2013. É o que aponta o relatório "Prosperidade Compartilhada e Erradicação da Pobreza na América Latina e Caribe", do Banco Mundial. Além das políticas públicas com foco na erradicação da pobreza, o estudo mostra que o crescimento econômico e o aumento nas taxas de emprego e no percentual de empregos formais contribuíram para o bom desempenho do país.

Para a ministra do Desenvolvimento Social e Combate à Fome, Tereza Campello, o relatório é animador e mostra que os avanços resultam de um conjunto de políticas públicas organizadas de forma a enfrentar a pobreza em suas diferentes dimensões, garantindo renda, mas também cuidando de melhorar as oportunidades para inserção econômica dessas famílias, assim como o seu acesso a serviços.

“O estudo do Banco Mundial deixa claro que a redução da pobreza não aconteceu gratuitamente. É resultado das políticas públicas que criamos, como o acesso à água e a promoção de oportunidades de inclusão produtiva para a população mais pobre. Mostra, portanto, que é possível construir políticas públicas que melhoram a vida das pessoas e que alteram a realidade, especialmente a dos países da América Latina e de outros em desenvolvimento no mundo”, afirmou.

De acordo com o estudo do Banco Mundial, a pobreza caiu mais rapidamente no Brasil do que na América Latina e região do Caribe, o que "contribuiu substancialmente para a redução da pobreza a nível regional”. Em 1999, as taxas de pobreza extrema do Brasil e da região foram semelhantes, em torno de 26%. Enquanto a taxa na região havia caído para 12% em 2012, a queda no Brasil era de 9,6%.

O documento do Banco Mundial também assinalou a maior queda da extrema pobreza nas regiões Norte e Nordeste e na zona rural. O estudo considerou pobres de renda aqueles que ganham até US$ 2,5 por dia – valor maior do que a linha de extrema pobreza brasileira, de R$ 77 mensais (equivalente a US$ 1,25 diário).

Segundo o relatório, a pobreza multidimensional (ou crônica) caiu de 6,7% para 1,6% da população no período de oito anos – entre 2004 e 2012. A queda é de 76%. A pobreza multidimensional considera, além da renda, outras sete privações: se as crianças e adolescentes até 17 anos estão na escola, os anos de escolaridade dos adultos, o acesso à água potável e saneamento, eletricidade, condições de moradia e, finalmente, a bens, como telefone, fogão e geladeira.

Superação – Regiane Severo da Silva, 36 anos, e o marido Jeferson Kennedy Pereira, 41, superaram a pobreza graças às políticas públicas do governo federal. Há sete anos, eles enfrentaram tempos difíceis em Jacupiranga (SP), onde moram com dois filhos. Ele trabalhou durante anos no cultivo da banana, comum na região. Mas o que ganhava não era suficiente para sustentar a família. Depois, veio o desemprego.

Para reverter a situação, Regiane procurou ajuda no Centro de Referência de Assistência Social (Cras) da cidade. Lá, ficou sabendo que tinha direito de receber o Bolsa Família (R$ 166). Também teve a oportunidade de se qualificar. “O mais importante foi aprender que não era só receber o Bolsa Família. Eu tinha que me qualificar e ir mais longe”, afirma ela, que fez cursos de fuxico, patchwork, crochê e tricô.

Aos poucos, a família conseguiu superar as dificuldades. Regiane conseguiu emprego em uma pré-escola e voltou a estudar – cursa Pedagogia –, mas não abandonou o artesanato, que continua a complementar sua renda. Jeferson passou no concurso da prefeitura, onde trabalha como guarda municipal. “Graças ao nosso esforço e à ajuda que tivemos, consegui passar no concurso. Hoje tenho meu carro e posso carregar a minha família. Eles não dependem de ônibus”, conta ele, relembrando o quanto foi incerto manter a família como sempre sonhou.

Ele não esquece o dia que o filho caçula – na época com dois anos – pediu para ligar a televisão. A energia elétrica tinha sido cortada por falta de pagamento. “Jurei que isso nunca mais ia acontecer. Essa foi a maior dor da minha vida. Energia elétrica dentro de casa eu não deixo faltar não”, garante ele.

Com a melhora de renda, Regiane devolveu o cartão do Bolsa Família. Agora ela quer retribuir o apoio e a amizade que recebeu na fase mais dura de sua vida. “Tenho esperança de crescer na minha profissão e uma vontade muito grande de trabalhar com palestras de motivação. Penso também em escrever um livro de como mudar de vida. Quero retribuir o que fizeram por mim”, conta, emocionada.

Informações sobre os programas do MDS:
0800-707-2003
mdspravoce.mds.gov.br

Informações para a imprensa:
Ascom/MDS
(61) 2030-1021
www.mds.gov.br/saladeimprensa