Você está aqui: Página Inicial > Área de imprensa > Notícias > 2014 > Novembro > “Já teve tempo que carregava um saco com 20 quilos por dois quilômetros até a rodovia”

Notícias

“Já teve tempo que carregava um saco com 20 quilos por dois quilômetros até a rodovia”

AQUISIÇÃO DE ALIMENTOS

Há dois anos, Joaquim Fernandes de Castro vende hortaliças e frutas para o Programa de Aquisição de Alimentos. Com o dinheiro, o quilombola já comprou um carro para transportar o que produz
publicado  em 12/11/2014 00h00

Brasília, 12 – Joaquim Fernandes de Castro, 54 anos, mora na comunidade quilombola Fazenda Ema, a 22 quilômetros de Teresina de Goiás (GO). Ele sempre viveu da agricultura, mas o que ganhava era pouco e incerto para sustentar a família – esposa e seis filhos. O agricultor conta que melhorou de vida há dois anos quando passou a vender hortaliças e frutas para o Programa de Aquisição de Alimentos (PAA), estratégia que integra o Plano Brasil Sem Miséria e possibilita a superação da pobreza no campo com a inclusão de pequenos agricultores em uma rota produtiva. “O que está dando dinheiro é o mamão e a mandioca”, diz ele.


Perseverante, Joaquim comercializou, no ano passado, o limite do PAA para o produtor individual: R$ 4,5 mil. Com o dinheiro e mais o que lucrou com a venda de quase 200 quilos de sementes nativas de capim-andropogon, comprou seu primeiro carro – um Uno Mille, ano 1991. “Paguei R$ 5,5 mil e não me arrependo”, conta o quilombola, orgulhoso.

Com o carro, ele transporta a produção até a cidade e leva os filhos à escola. Mas nem sempre foi assim. “Já teve tempo que carregava um saco com 20 quilos por dois quilômetros até a rodovia. Depois, pegava um ônibus ou uma carona até a cidade para vender a produção”, lembra o agricultor, que planeja “comprar um carrinho melhor”. Antes, quer aumentar o que produz e, consequentemente, a renda da família.

Beneficiária do Bolsa Família, a esposa de Joaquim, Cenira Castro, trabalha como merendeira em uma escola municipal. Com o benefício, comprou fogão e geladeira. “O Bolsa Família ajudou na educação dos meninos e a comprar comida, roupas, fogão e geladeira. Ajudou em tudo”, garante Joaquim, que cultiva, para o consumo da família, milho, feijão, arroz e batata.

Central de Atendimento do MDS:
0800-707-2003

Informações para a imprensa:
Ascom/MDS
(61) 2030-1021