Ministério do Desenvolvimento Social
Bolsa Família

Perguntas Frequentes


1) Qual é a diferença entre Averiguação Cadastral e Revisão Cadastral?

A Revisão Cadastral é o procedimento que tem como objetivo garantir a atualização dos dados declarados ao Cadastro Único pelas famílias que foram identificadas com cadastros desatualizados, ou seja, que ficaram mais de dois anos sem atualizar.

Já a Averiguação Cadastral é constituída por verificações das informações registradas no Cadastro Único, por meio da comparação da base nacional com informações contidas em outros registros administrativos, a fim de identificar possíveis inconsistências.

Assim, tanto na Revisão quanto na Averiguação Cadastral, as famílias são convocadas a atualizarem seus dados no Cadastro Único.

2) As famílias da Averiguação Cadastral 2018 que atualizaram o cadastro em 2016 e 2018 têm que atualizar de novo?

Sim, pois como a SENARC encontrou diferença entre as informações do Cadastro Único e de outros registros do Governo Federal, é preciso confirmar a real situação da família, atualizando os seus dados novamente.

No arquivo disponibilizado no SigPBF pela Senarc, há, para cada família, a informação da SITUAÇÃO. As famílias que ainda precisam atualizar seus dados no âmbito dos processos de Averiguação e Revisão Cadastral 2018 estão com a marcação PENDENTE no arquivo.

Além disso, a SENARC disponibilizará a informação sobre o tipo de inconsistência encontrado. Essas inconsistências podem indicar possível renda de trabalho ou recebimento de benefícios pagos pelo INSS, entre outros.

3) As famílias da Revisão ou da Averiguação Cadastral que já atualizaram o Cadastro em 2018 precisam atualizar novamente?

As famílias da Revisão Cadastral com dados atualizados não precisam atualizar novamente.

Já em relação às famílias da Averiguação, a necessidade de nova atualização em 2018 vai depender do Grupo na qual elas estão inseridas:

  • As famílias do Grupo 1, 2 e 3 que atualizaram seus dados a partir de 16 de março de 2018 NÃO precisam atualizar novamente.
  • As famílias dos Grupos 4 que atualizaram seus dados a partir de 13 de abril de 2018 NÃO precisam atualizar novamente.
  • As famílias do Grupo 5 que atualizaram seus dados a partir de 15 de junho de 2018 NÃO precisam atualizar novamente.

Para saber a qual grupo uma família pertence, o Gestor deverá consultar a listagem do SIGPBF. Nessa listagem também pode consultar se a família precisa atualizar o cadastro da seguinte forma: na coluna SITUAÇÃO aparece, para cada família, se o cadastro está ATUALIZADO, PENDENTE ou EXCLUÍDO. As famílias com a situação PENDENTE são aquelas que deverão fazer a atualização cadastral.

4) Como obter a lista de famílias que precisam atualizar seus cadastros no processo de Revisão Cadastral e Averiguação Cadastral 2018?

A lista está disponível no SIGPBF. É uma lista unificada contendo as famílias em Revisão e Averiguação Cadastral.  Para acessar a lista do SIGPBF, entre no site do MDS, www.mds.gov.br, depois clique em “Sistemas”,  na barra alaranjada, e depois em Sistema de Gestão do Programa Bolsa Família (SIGPBF).
Após acessar o SIGPBF, clique no menu “Administrativo – Transmissão de Arquivos – Upload/Download de arquivos”.

Após acessar a área de Upload/Download de Arquivos, o usuário municipal deverá clicar na pasta ATUALIZAÇÃO CADASTRAL 2018:

 “UF_NOMEMUNICIPIO_CODIGOIBGE_AtualizacaoCadastral2018_ABR2018.csv”

A listagem é atualizada mensalmente. Por isso, lembre-se de fazer mensalmente o download da lista atualizada.

Caso encontre dificuldades de acessar a lista pelo SigPBF, entre em contato com a Coordenação Estadual do PBF, pois eles conseguem baixar as listagens de famílias de todos os municípios de seu estado.

Leia a Instrução Operacional nº 93/2018 para mais informações.

5) Por que algumas famílias que já fizeram a atualização continuam recebendo mensagem de extrato ou carta?

Por causa do calendário de extração do Cadastro Único. As informações das atualizações cadastrais são geradas mensalmente, a partir da data da extração dos dados do Cadastro Único. Se a família atualizar após a data de extração do Cadastro Único, ela ainda permanecerá na lista do SIGPBF e receberá mensagem ou carta no mês seguinte. Você pode consultar as datas de extração do Cadastro Único no Calendário Operacional (disponível no módulo Infraestrutura, do SIBEC), item 3 (Data de extração do CadÚnico e qualificação do SIBEC).

6) Existe diferença no processo de atualização do cadastro das famílias da Averiguação e da Revisão Cadastral 2018?

Não existe diferença no processo de atualização do cadastro das famílias da Averiguação e da Revisão Cadastral. Nos dois casos a entrevista deverá ser feita normalmente.

No caso da Averiguação Cadastral, o entrevistador pode esclarecer o motivo pelo qual a família entrou na Averiguação Cadastral, visto que haverá na lista do SIGPBF o tipo de inconsistência identificado, se uma possível renda do trabalho, um benefício pago pelo INSS, entre outras possíveis fontes de renda. O entrevistador poderá confirmar se essa informação é verdadeira no momento da entrevista. Mas ao fazer isso, ele deve sempre priorizar a autodeclaração da família.

7) É preciso pedir carteira de trabalho ou algum documento de comprovação de renda da pessoa que está com dados inconsistentes?

Não, as famílias da Averiguação Cadastral devem ser entrevistadas da mesma forma que as outras famílias.

O entrevistador também pode esclarecer o motivo pelo qual a família entrou na Averiguação Cadastral, visto que haverá na lista do SIGPBF o tipo de inconsistência identificado, se uma possível renda do trabalho, um benefício previdenciário (do INSS) ou BPC, entre outras possíveis fontes de renda. O entrevistador poderá confirmar se essa informação é verdadeira no momento da entrevista. Mas ao fazer isso, ele deve sempre priorizar a autodeclaração da família.

Em todas as entrevistas, o Responsável pela Unidade Familiar (RF) deve ser avisado de suas responsabilidades e de que deve falar a verdade, sob pena de ser responsabilizado e ter que devolver benefícios, caso esteja recebendo ou venha a receber de forma indevida.

8) O que acontece com a família da Revisão ou Averiguação Cadastral 2018 que não atualizar o cadastro?

As famílias da Revisão e Averiguação Cadastral que não fizerem a atualização, caso sejam beneficiárias do Bolsa Família ou da TSEE, deixarão de participar desses programas.

As famílias de beneficiários do BPC que permaneçam com os dados desatualizados até o dia 31 de dezembro de 2018 terão o benefício suspenso a partir de janeiro de 2019, pois o prazo foi prorrogado pela Portaria Interministerial nº 5, de 22 de dezembro de 2018.

As demais famílias com cadastros desatualizados incluídas na Revisão Cadastral, caso não atualizem o cadastro, ficarão impedidas de participar do processo de concessão de benefícios de programas sociais, incluindo o PBF, a TSEE e outros programas, como as aposentadorias do regime de facultativo de baixa renda do INSS (benefício da “dona de casa”), dentre outros.

As famílias incluídas na Averiguação Cadastral, sejam ou não beneficiárias de programas sociais, podem ser excluídas do Cadastro Único caso não atualizem seus cadastros.

9) O município pode fazer o desbloqueio dos benefícios do Programa Bolsa Família que foram bloqueados pela Averiguação/Revisão Cadastral 2018?

Sim. A Gestão Municipal pode efetuar o desbloqueio no SIBEC após a atualização cadastral realizada pela família, desde que esta tenha o perfil para permanecer no Programa Bolsa Família. 

  • Se a família for da Averiguação Cadastral, para continuar no Programa ela deve apresentar renda de até R$ 85,00 por pessoa; ou até R$ 170,00 se tiver crianças ou adolescentes. (ATENÇÃO: a partir de julho de 2018 entrará em vigor o reajuste do Bolsa Família e os novos limites de renda serão: até R$ 89,00 por pessoa; ou até R$ 178,00 por pessoa para as famílias com crianças ou adolescentes).
  • Se a família for da Revisão Cadastral, ela tem direito à Regra de Permanência e pode apresentar renda até meio salário mínimo.

O MDS também fará o desbloqueio dos benefícios do PBF, após a atualização cadastral da família e análise do perfil das famílias para o programa.

10) A família do Bolsa Família atualizou o cadastro depois do bloqueio da Averiguação ou da Revisão Cadastral. O que o gestor deve fazer?

A Gestão Municipal pode efetuar o desbloqueio no SIBEC após a atualização cadastral realizada pela família, desde que esta tenha o perfil para permanecer no Programa Bolsa Família. 

  • Se a família for da Averiguação Cadastral, para continuar no Programa ela deve apresentar renda de até R$ 85,00 por pessoa; ou até R$ 170,00 se tiver crianças ou adolescentes. (ATENÇÃO: a partir de julho de 2018 entrará em vigor o reajuste do Bolsa Família e os novos limites de renda serão: até R$ 89,00 por pessoa; ou até R$ 178,00 por pessoa para as famílias com crianças ou adolescentes).
  • Se a família for da Revisão Cadastral, ela tem direito à Regra de Permanência e pode apresentar renda até meio salário mínimo, mesmo sem ter crianças ou adolescentes. 

O MDS também fará o desbloqueio dos benefícios do PBF, após a atualização cadastral da família e análise do perfil das famílias para o programa. 

11) Quando ocorrerão os cancelamentos dos benefícios do Programa Bolsa Família da Averiguação e da Revisão Cadastral 2018?

Os cancelamentos do Programa Bolsa Família da Averiguação Cadastral ocorrerão a partir de maio e os da Revisão Cadastral em dezembro de 2018. Lembre-se de que os municípios em Situação de Emergência ou Calamidade Pública que solicitaram Ações Especiais ao MDS têm prazos prorrogados de atualização cadastral (ver FAQ Municípios em Situação de Emergência).

Averiguação Cadastral

Data limite para atualizar o cadastro e evitar o cancelamento

Mês do Cancelamento dos benefícios

Grupo 1

13 de abril

Maio

Grupo 2

15 de junho

Julho

Grupo 3

13 de julho

Agosto

Grupo 4

18 de maio

Junho

Grupo 5

19 de outubro

Novembro

Revisão Cadastral

Último dia para evitar o cancelamento

Mês do Cancelamento dos benefícios PBF

Grupo 9

16 de novembro

Dezembro

12) Quais famílias terão seus benefícios do Programa Bolsa Família CANCELADOS pela Averiguação Cadastral e Revisão Cadastral 2018?

Na Averiguação Cadastral:

  • As famílias que não atualizarem seus dados cadastrais dentro do prazo.
  • As famílias que atualizarem o Cadastro Único e apresentarem renda acima de R$ 170,00 por pessoa (a partir de julho de 2018, o reajuste do PBF entrará em vigor e o limite passará a ser de R$ 178,00).
  • As famílias que recebiam somente o benefício básico e, depois da atualização cadastral, apresentarem renda acima de R$85,00 e não tiverem crianças nem adolescentes na família. (a partir de julho de 2018, o reajuste do PBF entrará em vigor e o limite para recebimento do benefício básico passará a ser de R$ 89,00).

ATENÇÃO: As famílias que foram incluídas na Averiguação Cadastral NÃO têm direito à regra de permanência.

Na Revisão Cadastral:

  • As famílias que não atualizarem seus dados cadastrais dentro do prazo.

ATENÇÃO: As famílias que foram incluídas na Revisão Cadastral TÊM direito à regra de permanência e podem apresentar renda de até meio salário mínimo.

13) Como é feita a reversão de cancelamento dos benefícios do Programa Bolsa Família, cancelados pela Averiguação ou pela Revisão Cadastral 2018?

A família com benefício cancelado por não ter atualizado o Cadastro Único dentro do prazo deve atualizar suas informações. Se, após a atualização cadastral, a família continuar no perfil estabelecido pelo Bolsa Família, o gestor deve comandar a reversão de cancelamento diretamente no Sistema de Benefícios ao Cidadão (Sibec). Nesses casos, não é necessário enviar o Formulário Padrão de Gestão de Benefícios (FPGB) para a Senarc.

É importante lembrar que somente as famílias da Revisão Cadastral têm direito à Regra de Permanência e podem permanecer no Programa Bolsa Família com renda por pessoa de até meio salário mínimo. As famílias da Averiguação Cadastral deverão apresentar renda de até R$ 85,00 por pessoa; ou até R$ 170,00 se tiverem crianças ou adolescentes (ATENÇÃO: a partir de julho de 2018 entrará em vigor o reajuste do Bolsa Família e os novos limites de renda serão: até R$ 89,00 por pessoa; ou até R$ 178,00 por pessoa para as famílias com crianças ou adolescentes).

 A reversão de cancelamento só deve ser comandada no SIBEC depois que as informações atualizadas tiverem sido extraídas do Cadastro Único e “lidas” pelo SIBEC (o que ocorre nas datas indicadas no item 3 do Calendário Operacional – datas de “qualificação” do SIBEC). Se a reversão for comandada antes da qualificação, o SIBEC fará a leitura de informações cadastrais desatualizadas e ocorrerá novo cancelamento do benefício.

14) A família que teve o benefício do programa Bolsa Família cancelado pela Averiguação ou pela Revisão Cadastral 2018 pode voltar a receber o benefício?

Sim, mas isso depende de algumas condições:

  • A primeira ação que o gestor tem que fazer é atualizar o cadastro da família.
  • Se a família for da Averiguação Cadastral: o gestor deve verificar se a família continua no perfil de renda e de composição familiar para receber os benefícios. Neste caso, são aplicados os critérios de entrada no Programa, em que a renda familiar limite por pessoa é de até R$ 85,00 por mês; ou renda por pessoa até R$ 170,00 por mês, no caso das famílias que tiverem no seu cadastro crianças ou adolescentes com idade entre 0 e 17 anos (ATENÇÃO: a partir de julho de 2018 entrará em vigor o reajuste do Bolsa Família e os novos limites de renda serão: até R$ 89,00 por pessoa; ou até R$ 178,00 por pessoa para as famílias com crianças ou adolescentes).
  • Se a família for da Revisão Cadastral: o gestor deve verificar se a família continua no perfil de renda e de composição familiar para receber os benefícios, mas vale a regra de permanência. Se a renda da família não passar de meio salário mínimo por pessoa, o gestor poderá reverter o cancelamento no Sibec.

A reversão de cancelamento de benefício no SIBEC deve ser feita pela gestão municipal no prazo de até 6 meses após a data de cancelamento.  A reversão de cancelamento só deve ser comandada no SIBEC depois que as informações atualizadas tiverem sido extraídas do Cadastro Único e “lidas” pelo SIBEC (o que ocorre nas datas indicadas no item 3 do Calendário Operacional – datas de “qualificação” do SIBEC). Se a reversão for comandada antes da qualificação, o SIBEC fará a leitura de informações cadastrais desatualizadas e ocorrerá novo cancelamento do benefício.

Depois do prazo de seis meses, o gestor não pode mais comandar nem solicitar a reversão de cancelamento. A família com benefício cancelado por mais de seis meses só pode voltar para o Programa após novo processo de habilitação, seleção e concessão de benefícios, realizado mensalmente pelo MDS e que considera todas as famílias com perfil para entrada no Bolsa Família.

15) Serão pagas parcelas retroativas nos casos de reversão de cancelamento do Programa Bolsa Família?

Nos casos em que o munícipio identificar que a responsabilidade pela falta de atualização NÃO foi da família, o gestor poderá solicitar no SIBEC o pagamento de parcelas retroativas ao comandar a reversão.

Por exemplo: a família não tinha conhecimento de que precisava atualizar o Cadastro (por algum erro, ela não recebeu carta, nem mensagem de extrato) ou se o município não teve condições operacionais de atender todas as famílias dentro do prazo e o benefício da família acabou sendo cancelado. Nestes casos, o gestor deve comandar a reversão de cancelamento com recebimento de parcelas retroativas.

16) Quais são os prazos para as famílias do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC) atualizarem seus dados na Averiguação e pela Revisão Cadastral 2018?

O prazo para as famílias de beneficiários do BPC com cadastros desatualizados, sejam idosos ou pessoas com deficiência, atualizarem seus dados até 31 DE DEZEMBRO DE 2018. Os beneficiários do BPC que permanecerem com cadastros desatualizados terão os benefícios suspensos a partir de janeiro de 2019. 

Aquelas que estão na Averiguação Cadastral, mesmo se estiverem com o cadastro atualizado, têm que atualizar novamente até 31 DE DEZEMBRO DE 2018, pois podem ter o cadastro excluído se não atualizarem e, com isso, sofrer repercussão no pagamento do benefício a partir de janeiro de 2019.

As famílias de beneficiários do BPC também  têm que informar no Cadastro Único o CPF de todas as pessoas da família, mesmo crianças.

Caso as famílias de beneficiárias do BPC também recebam outros benefícios, como o PBF, para mantê-los, devem procurar atualizar seus dados seguindo os prazos dos demais benefícios. Por exemplo, uma família de beneficiário do BPC que também receba benefícios do Programa Bolsa Família deve atualizar seus dados seguindo os prazos de bloqueio e cancelamento do Programa Bolsa Família. Dessa forma, ela poderá continuar recebendo o PBF e já vai ter atualizado as suas informações, não necessitando atualizar novamente em função do BPC.

Processo

Grupos

Data limite para

atualização cadastral

para evitar suspensão BPC

Suspensão do BPC para beneficiários IDOSOS ou COM DEFICIÊNCIA (a partir de):

Averiguação Cadastral

G1

31/12/2018

Jan/2019 (se ocorrer exclusão do Cadastro Único)

G2

31/12/2018

Jan/2019 (se ocorrer exclusão do Cadastro Único)

G3

31/12/2018

Jan/2019 (se ocorrer exclusão do Cadastro Único)

G4

31/12/2018

Jan/2019 (se ocorrer exclusão do Cadastro Único)

G5

31/12/2018

Jan/2019 (se ocorrer exclusão do Cadastro Único)

Revisão Cadastral

G6

31/12/2018

Jan/2019

G7

31/12/2018

Jan/2019

G8

31/12/2018

Jan/2019

 

G9

31/12/2018

Jan/2019


Processo

Grupos

Data limite para atualização cadastral para evitar o cancelamento do PBF

Cancelamento do PBF a partir de

Averiguação Cadastral

G1

13 de abril

Maio

G2

15 de junho

Julho

G3

13 de julho

Agosto

G4

18 de maio

Junho

G5

19 de outubro

Novembro

Revisão Cadastral

G9

16 de novembro

Dezembro

17) O que vai acontecer com as famílias beneficiárias do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC) que não atualizarem seus dados?

Os beneficiários do BPC que permanecerem com cadastros desatualizados terão os benefícios suspensos a partir de janeiro de 2019.  O prazo para as famílias de beneficiários do BPC com cadastros desatualizados, sejam idosos ou pessoas com deficiência, atualizarem seus dados até 31 DE DEZEMBRO DE 2018.

Aquelas que estão na Averiguação Cadastral, mesmo se estiverem com o cadastro atualizado, têm que atualizar novamente até 31 DE DEZEMBRO DE 2018, pois podem ter o cadastro excluído se não atualizarem e, com isso, sofrer repercussão no pagamento do benefício a partir de janeiro de 2019.

18) A família que está na Averiguação recebe um BPC (ou pensão, aposentadoria, etc.), mas o verdadeiro titular desse benefício é outra pessoa que não é da família. O que o município deve fazer?

Nos casos em que uma pessoa recebe um benefício de outra pessoa como CURADOR, TUTOR ou REPRESENTANTE LEGAL, o valor desse benefício deve ser registrado no formulário do TITULAR do benefício, e NÃO deve ser considerado como renda do curador, tutor ou representante legal.

Por isso, nessas situações, a gestão deve atualizar o cadastro das famílias normalmente, informando o valor desse benefício no formulário do TITULAR dessa renda. Caso o titular não seja da família, esse valor não deve ser declarado.

19) Quais documentos os beneficiários do BPC devem apresentar para o cadastramento?

Ao atualizar suas informações, as famílias de beneficiários do BPC devem informar no Cadastro Único o CPF para todas as pessoas da família. Dessa forma, os números de CPF de todos os membros deverão ser registrados no Cadastro Único, no campo 5.02 do ‘Bloco 5 – Documentos’ para permitir a identificação do beneficiário e de sua família no momento da avaliação do benefício pelo INSS.

20) Por que as famílias beneficiárias do Benefício de Prestação Continuada da Assistência Social (BPC) têm que atualizar seus dados no Cadastro Único?

A legislação do BPC prevê que todas as famílias de beneficiários devem ser incluídas no Cadastro Único e devem manter seus dados atualizados, conforme previsto na Portaria Interministerial nº 5, de 22 de dezembro de 2018.

Os beneficiários do BPC que permanecerem com cadastros desatualizados terão os benefícios suspensos a partir de janeiro de 2019.  O prazo para as famílias de beneficiários do BPC com cadastros desatualizados, sejam idosos ou pessoas com deficiência, atualizarem seus dados até 31 DE DEZEMBRO DE 2018.

Aquelas que estão na Averiguação Cadastral, mesmo se estiverem com o cadastro atualizado, têm que atualizar novamente até 31 DE DEZEMBRO DE 2018, pois podem ter o cadastro excluído se não atualizarem e, com isso, sofrer repercussão no pagamento do benefício a partir de janeiro de 2019.

Ao atualizar suas informações, as famílias de beneficiários do BPC devem informar no Cadastro Único o CPF para todas as pessoas da família.

21) No momento da inclusão/atualização cadastral de uma família de um requerente ou beneficiário do BPC, os profissionais das equipes dos CRAS e/ou CREAS podem solicitar cópia do documento de procuração ou curatela? 

Sim, e devem arquivar a cópia dos documentos junto ao formulário da família ou Folha Resumo, adotando os mesmos procedimentos de guarda do arquivo dos formulários do Cadastro Único.

22) As entrevistas das famílias dos beneficiários do BPC devem ser realizadas por meio de visita domiciliar? 

Sugere-se que os municípios priorizem as entrevistas em domicílios para idosos com mais de 80 anos ou pessoas com deficiência, em função da possível dificuldade de locomoção do beneficiário, caso esse seja o Responsável pela Família. A entrevista no domicílio destas famílias não é obrigatória nem terá qualquer consequência quanto à repercussão no pagamento de benefícios, mas é importante para garantir que todos os beneficiários do BPC e suas famílias consigam atualizar seus dados no Cadastro Único. Lembre-se, caso o beneficiário não seja o RF, não é necessária a ida dele ao posto do cadastramento, mas sim a do RF da família à qual ele está vinculado.

No Processo de Averiguação e Revisão Cadastral de 2018 não existe nenhum grupo de famílias para o qual a entrevista domiciliar seja obrigatória.

23) As famílias da Averiguação e Revisão Cadastral 2018 têm direito à Regra de Permanência do Programa Bolsa Família?

As famílias da Revisão Cadastral terão direito à Regra de Permanência, ou seja, após a atualização, poderão apresentar renda até meio salário mínimo por pessoa da família, sem perder o benefício do PBF.

Já as famílias da Averiguação só podem permanecer no Bolsa Família se, depois da atualização, a renda apresentada for de até R$ 85,00 por pessoa; ou até R$ 170,00 se tiverem crianças ou adolescentes.  (ATENÇÃO: a partir de julho de 2018 entrará em vigor o reajuste do Bolsa Família e os novos limites de renda serão: até R$ 89,00 por pessoa; ou até R$ 178,00 por pessoa para as famílias com crianças ou adolescentes).

O Programa Bolsa Família atende famílias em situação de pobreza e extrema pobreza, que podem ter frágeis vínculos empregatícios. Dessa forma, a legislação do PBF prevê que a renda per capita da família pode variar até ½ salário mínimo, sem que haja imediato desligamento do programa, o que é chamado de “regra de permanência”, regulamentada pelo § 1º do art. 21 do Decreto nº 5.209, de 2004. Entretanto, as famílias incluídas em processo de auditoria do Cadastro Único (Averiguação Cadastral ou procedimento de fiscalização da Senarc) não fazem jus a esta regra de variação de renda, conforme previsto no § 6º do art. 6º da Portaria MDS nº 617, de 2010 (atualizada pela Portaria MDS nº 118, de 30/12/2015).

24) Como a gestão municipal deve proceder para capacitar profissionais para atuarem como entrevistadores?

Se o seu município tiver algum instrutor do curso de capacitação de preenchimento dos Formulários do Cadastro Único, é possível organizar turmas conforme modelo de capacitação do MDS, observando as orientações do Manual do Instrutor. Para solicitar os materiais necessários para ministrar a capacitação, o município deve entrar em contato com a Coordenação Estadual.

Se necessário, os materiais de capacitação também podem ser obtidos no portal de ensino à distância do site do MDS, no endereço www.mds.gov.br/ead/. Para acessar este portal é necessário se cadastrar e adquirir uma senha que permite o acesso ao conteúdo – o conteúdo para ministrar o curso de preenchimento de formulários é restrito para instrutores já formados. É importante que todos os instrutores consultem sempre o portal antes de dar uma nova capacitação, pois a atualização de material são disponibilizadas via EAD.

Caso o município não tenha instrutor e precise capacitar novos membros da sua equipe do Cadastro Único, deve sinalizar para a coordenação estadual do Cadastro Único e Bolsa Família de seu estado.

 

Para mais informações, clique aqui para acessar ao Formulário Eletrônico ou entre em contato com a

Central de Relacionamento do MDS: 0800 707 2003 (segunda a sexta-feira, das 7h às 19h).